Tamanho do texto

Em mechas ou em cobertura total, os fios prateados agora fazem a cabeça das mais jovens. Saiba como conseguir esse efeito e que cuidados tomar para manter a cabeleira bonita

Granny hair: tendência que começou na Europa e no Japão ganhou adeptas por aqui
REPRODUÇÃO / PINTEREST
Granny hair: tendência que começou na Europa e no Japão ganhou adeptas por aqui

Há muitas gerações, um costume entre a maioria das mulheres brasileiras em relação aos cabelos é simples: quando começam a aparecer os fios brancos, entram em cena as mechas loiras para disfarçá-los ou a tintura de cor semelhante à original para cobri-los totalmente.

Como tradições existem para serem quebradas, de uns tempos para cá não só muitas mulheres têm assumido os grisalhos e brancos (uma das mais recentes foi Rita Lee) como outras, ainda com a cabeça toda loira, castanha, ruiva ou negra, têm tingido os cabelos de branco (Miley Cyrus, Kelly Osbourne e Rihanna, entre outras). Nasceu, assim, a tendência do “granny hair”, ou “cabelo de vovó”.

A moda começou no norte da Europa e no Japão no ano passado, chegou aos EUA no começo deste ano e agora ganha força no Brasil. Quem viu as moças do Hemisfério Norte pelo Instagram e quis fazer igual por aqui ao na mesma época penou para conseguir dar os primeiros passos. Foi o caso da estudante Mariana de Salvo, 22 anos, cujos fios naturais são loiros e que teve seu pedido por um granny hair recusado pela cabeleireira de sempre e por outros cinco profissionais.

Mariana ouviu seis 'nãos' antes de conseguir um profissional que fizesse seus cabelos cinza
Arquivo pessoal
Mariana ouviu seis 'nãos' antes de conseguir um profissional que fizesse seus cabelos cinza

“O jeito foi fazer em casa. Passei descolorante e matizador prata e não ficou muito bom, por não ter sido um trabalho profissional. Voltei na minha cabeleireira e pedi para ela arrumar. Aí ela não conseguiu negar”, lembra.

De lá para cá, Mariana retoca as raízes uma vez por mês e faz hidratação de duas a três vezes por semana.

“Dá trabalho manter o granny hair bonito, precisa ter tempo e paciência. Mas vale a pena”, diz.

Como chegar lá

Se antes os cabeleireiros brasileiros se recusavam a deixar uma moça jovem com cabelos de vovó, hoje eles fazem isso com um sorriso no rosto, pois a moda pegou. O aconselhável é ir a um profissional com técnica apurada, para não correr o risco de sair do salão com um desastre na cabeça. O trabalho começa com uma intensa descoloração.

“Se os cabelos estiverem virgens, será preciso clarear muitos tons. Se já tiverem pelo menos mechas claras, serão menos etapas. De qualquer forma, é um processo alcalino muito delicado, que deve ser feito com cuidado", afirma Vânia Conceição, educadora artística da L’Oréal Professionnel.

Esse diagnóstico consiste em clarear uma mecha mais “resistente” dos cabelos – com o mínimo de coloração ou tratamento químico possível –, para ver quantas vezes será necessário descolorir e mesmo se os fios aguentam o processo. Se tudo der certo, parte-se para o trabalho em si: as mechas ou a descoloração total.

Restrições

Esteticamente falando, o granny hair cai bem em mulheres de qualquer etnia e tipo físico – até porque, convenhamos, a natureza não escolhe tom de pele quando torna brancos os cabelos de qualquer pessoa.

“Ele é muito democrático e pode ser usado por todas. Mas quem normalmente exibe esse visual são as moças mais urbanas”, destaca Leandro Ferreira, hairstylist do Jacques Janine Augusta, de São Paulo.

Há, porém, alguns motivos que podem impedir uma mulher de aderir à tendência. “Cabelos que já tenham alisamento, tratamentos químicos severos, mais de um relaxamento ou tinta sobre tinta: nem pensar”, lista Vânia Conceição.

“Para suportar tanta descoloração, os fios precisam estar resistentes e minimamente saudáveis”.

Manutenção

Como a estudante Mariana de Salvo disse, dá trabalho manter o granny hair bonito. Leandro Ferreira explica: “A cor desbota com muita facilidade, então o ideal é retocar o tom cinza a cada 15 dias. E para que a hidratação seja eficiente, precisa ser em dois passos, um para reposição de massa capilar e outro para manter a cor dos fios”.

“Por sofrer descoloração profunda, esse cabelo precisa de produtos que devolvam toda a matéria perdida, como queratina, ácido lático e a própria água”, complementa Vânia.

++ Veja sugestões de produtos que ajudam a manter um granny hair bonito e saudável:

No dia a dia, o uso de xampus e condicionadores roxos criados para quem adota o granny hair são tiro e queda para evitar que o branco seja substituído por um amarelado causado pela poluição e por produtos cosméticos.

“É uma regra simples de cores, do Disco de Newton: o violeta é o oposto do amarelo, por isso o atenua”, esclarece a educadora artística.

Grisalhas aproveitam

Quem também está curtindo a onda dos cabelos prateados são as mulheres jovens já grisalhas que haviam decidido assumir isso antes da moda chegar ao país. A consultora de comunicação Lia Amancio é uma delas. Com 37 anos de idade, duas décadas de cabelos brancos na cabeça e quatro anos de transição para se livrar das tinturas e ostentar suas melenas bicolores – processo que concluiu em 2014 –, ela notou uma mudança geral de comportamento. No lugar de críticas sobre uma suposta aparência envelhecida trazida pelo grisalho entraram os elogios.

Lia Amancio: críticas à aparência envelhecida deram lugar aos elogios
Arquivo pessoal
Lia Amancio: críticas à aparência envelhecida deram lugar aos elogios

“Espontaneamente, muita gente pergunta como consegui esse efeito. É engraçado porque falam que em mim fica lindo porque sou nova, que elas não usam porque acham que vão ficar velhas. Sempre pergunto quantos anos acham que tenho, e a resposta vem entre 29 e 30 anos. Bom, então os cabelos brancos não só não envelhecem como remoçam”, constata.

Para manter os brancos naturais bonitos e saudáveis existem cuidados especiais, com produtos específicos que impedem o amarelamento dos fios – diferentes daqueles elaborados para os tingidos de prateado.

“E elas também podem passar um tonalizante para acentuar o cinza. Deixa o grisalho mais forte e mais bonito”, finaliza Vânia.

 Leia mais no Delas


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.