Tamanho do texto

Pesquisadores dizem que oxitocina, substância produzida pelo corpo e que tem papel chave nas interações sociais também pode aumentar agressividade

Uma pesquisa da Universidade de Birmingham, na Grã-Bretanha, sugere que o chamado "hormônio do amor", a oxitocina, tem um efeito no comportamento comparável a de bebidas alcoólicas e que este efeito é ainda maior do que se imaginava antes.

Este hormônio, produzido no hipotálamo, é conhecido por ter um papel importante em determinar nossas interações sociais e reações a parceiros românticos (por isso, o apelido). A oxitocina também um papel importante em partos e na conexão afetiva entre mãe e filho.

Hormônio ligado ao amor e maternidade também pode ter efeitos parecidos com o de bebidas alcoólicas
Thinkstock/Getty Images
Hormônio ligado ao amor e maternidade também pode ter efeitos parecidos com o de bebidas alcoólicas

A oxitocina também tem uma versão sintética, usada como medicamento, geralmente injetável ou aplicada via nasal. Este medicamento é usado para estimular o parto e lactação.

Segundo os cientistas britânicos, a oxitocina estimula comportamentos como altruísmo, generosidade e empatia, deixa as pessoas mais abertas a confiarem em outras. O hormônio remove algumas barreiras que funcionam como inibidores sociais: medo, ansiedade e estresse.

"Pensamos que valia a pena explorar esta área, então agrupamos pesquisas já existentes sobre os efeitos da oxitocina e do álcool e nos chamou a atenção as semelhanças incríveis entre os dois compostos", afirmou Ian Mitchell, da Escola de Psicologia da Universidade de Birmingham.

Leia também: Cinco coisas banais que atrapalham o sexo, mas os casais ignoram

"Eles parecem ter como alvo receptores diferentes no cérebro, mas causam ações comuns na transmissão GABA no córtex pré-frontal e nas estruturas límbicas. Estes circuitos neurais controlam a forma como percebemos o estresse e a ansiedade, especialmente em situações sociais como entrevistas, ou talvez até arrumando a coragem para convidar alguém para um encontro."

"Tomar compostos como a oxitocina e o álcool podem tornar estas situações menos assustadoras", acrescentou.

A pesquisa, que se baseou em estudos anteriores, foi publicada nas revistas especializadas  Neuroscience  e  Biobehavioral Reviews .

Bebida para acalmar

Segundo Steven Gillespie, da equipe de pesquisadores de Birmingham, a oxitocina, administrada via nasal em laboratório, provocava efeitos muito parecidos com os mais conhecidos efeitos do consumo de bebida alcoólica.

No entanto, os pesquisadores alertam contra o risco da automedicação, seja com o hormônio ou com a bebida, para tentar aumentar a confiança em momentos difíceis.

Tanto um como o outro trazem os mesmos efeitos negativos para saúde e para as habilidades sócio-cognitivas.

"As pessoas podem ficar mais agressivas, presunçosas, sentir mais inveja daqueles que considera seus competidores e aumentar também a possibilidade de assumir riscos desnecessários", diz o estudo.

"Não acho que vamos testemunhar uma época (no futuro) na qual a oxitocina será usada socialmente como uma alternativa à bebida alcoólica. Mas é uma substância neuroquímica fascinante e que pode ser usada no tratamento de problemas psicológicos e psiquiátricos", afirmou Gillespie.

"Compreender exatamente como (a oxitocina) reprime certos modos de ação e altera nosso comportamento pode dar benefícios reais para muitas pessoas. Esperamos que esta pesquisa esclareça isto e abra novos caminhos que ainda não tenhamos considerado", acrescentou.

Veja ainda:
Cafeína pode contribuir para desempenho sexual, diz estudo
Os 6 lugares em que as pessoas mais gostam de se masturbar

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.