Se n?o aguenta mais o saldo devedor no banco, o limite do cart?o estourado e os armarios repletos de bugigangas compradas num impulso incontrolavel, saiba o que pode estar envolvido nesse comportamento

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=ModeloiG%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237491695537&_c_=MiGComponente_C

Becky Bloom* e uma jornalista expert em economia, mas consumidora compulsiva e que vive atolada em dividas. Apesar de ser uma personagem de ficc?o, ha muitas Beckies espalhadas pelo mundo afora. Segundo o psiquiatra Marcelo Fernandes, especialista em dependencias, 80% dos compradores compulsivos s?o do sexo feminino. Por uma quest?o de personalidade, as mulheres s?o mais vaidosas e dispostas a gastar com o que muitas vezes n?o precisam e nem podem, comenta o psicologo Alexandre Bez, especializado em ansiedade e sindrome do panico.

As causas
O ato de comprar de forma descontrolada pode estar ligado a uma frustrac?o ou ate a um quadro psiquiatrico, como transtorno bipolar ou da ansiedade, informa Marcelo Fernandes. Inconscientemente, a pessoa procura compensar os problemas com algo que lhe de prazer e alivio imediatos. Fatores desencadeantes, como por exemplo insatisfac?o profissional, casamento desgastado ou ate descontentamento com a vida sexual, levam a pessoa a buscar ac?es que diminuam sua angustia. Essa atitude e explicada como mecanismo de auto-defesa do ser humano: a compensac?o, explica Alexandre Bez.

As consequencias
No momento seguinte ao impulso da compra e comum surgirem arrependimento e sensac?o de culpa. As vezes a pessoa nem tira a etiqueta da roupa, outras tem tanta vergonha de sua atitude que esconde as coisas no carro, para tira-las de madrugada, quando ninguem ve. A explicac?o e simples: o que se busca n?o e o objeto, mas o ato da compra, diz Marcelo Fernandes.

Sem duvida, o maior dano nessa historia toda e o financeiro. Mas o sentimento de frustrac?o tambem acaba aumentando. E o processo e continuo. A compra vem para compensar algo que nunca e compensado, ou seja, a pessoa busca no consumo uma melhora que n?o acontece assim.

A soluc?o
E preciso encontrar os fatores que podem estar ligados ao problema e trata-los. Dificilmente a cura e espontanea. Mas a conscientizac?o dos prejuizos que ele pode trazer e o passo inicial para se livrar da compuls?o. O primeiro sinal de que ha algo errado e quando a pessoa se arrepende quase imediatamente apos a compra, diz o psiquiatra. O segundo passo e se submeter a uma psicoterapia, de duas a tres vezes por semana, podendo incluir ate ansioliticos prescritos pelo medico.

E importante a pessoa entender o que a leva a esse comportamento, esclarece Marcelo Fernandes. O tempo de tratamento varia de uma pessoa para outra, podendo levar de seis meses a dois anos.

Quer ficar longe das dividas?

- Afaste as tentac?es. Nada de adquirir mais cart?es de credito, pois criam a falsa impress?o de se ter dinheiro. Vale ainda pedir diminuic?o do limite do cart?o e do cheque especial. Va ao banco fale com o gerente sobre sua dificuldade.

- Tenha um guardi?o. Procure alguem de confianca para cuidar de sua conta corrente, alertando para gastos excessivos e desnecessarios.

- Controle as despesas. Quando sair, procure n?o levar tal?o e cart?es e mantenha apenas uma pequena quantia de dinheiro na carteira.

- Mude seu programa. Fuja dos shoppings e dos centros comerciais, que s?o verdadeiros estimulos para compradores compulsivos.

- Evite financiamentos. As parcelas v?o se acumulando e o dinheiro podera faltar no final do mes.

- Distraia a mente. Quando a compuls?o atacar, faca alguma coisa para se distrair: ligue para os amigos, assista a um filme, escreva...

- Veja o seu guarda-roupa. Uma vez por mes de uma boa olhada no armario e gavetas, para verificar tudo o que tem e aprender a combinar as pecas, sem precisar adquirir outras.

- Faca uma atividade fisica. Os exercicios, especialmente aerobicos como corrida e caminhada, s?o otimos porque ativam a produc?o de serotonina, substancia que da sensac?o de prazer.

Ajuda bem-vinda
Se voce estiver ao lado de uma compulsiva e ela entrar em crise, n?o critique. Tente desviar sua atenc?o para outras coisas. Chame-a para tomar um cafe ou algo do genero. Tambem n?o adianta aconselhar nessa hora. A pessoa pode ficar ainda mais tensa e desenvolver raiva de voce, aconselha Alexandre Baz. Portanto, espere o surto passar para conversar sobre o assunto.

* Becky Bloom e personagem do livro Os Delirios de Consumo de Becky Bloom (Confessions of a Shopaholic), de Sophie Kinsella. O filme de mesmo nome deve chegar em abril as telonas do Brasil.

Leia mais sobre: compuls?o

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.