Segundo relatório do Parents Television Council, houve 120% de aumento na agressão contra personagens femininas desde 2004

Personagem de
Reprodução
Personagem de "Desperate Housewives", exibida pela ABC nos EUA e pela Sony aqui, uma das séries apontadas no relatório do PTC
Segundo relatório realizado pelo Parents Television Council (PTC), órgão dedicado a vistoriar o conteúdo da televisão norte-americana, os atos violentos contra os personagens femininos aumentaram 120% desde 2004 – enquanto a exibição de cenas violentas no geral cresceram apenas 2% no mesmo período.

O relatório do PTC, intitulado “Women in Peril: A Look at TV’s Disturbing New Storyline Trend” (em português, algo como: “Mulheres em Perigo: Um Olhar para a Perturbadora Tendência dos Novos Roteiros de Televisão”), examinou programas de horário nobre das maiores emissoras do país para atestar que a exibição de cenas de violência contra a mulher mais do que dobrou.

De acordo com o Presidente da entidade, Tim Winter, canais como ABC, CBS, NBC e Fox, que tiveram 209,5 horas de suas programações analisadas em 2004 e 2009, colaboram para uma “atmosfera insensível”. “Por mostrarem atos de violência contra a mulher com frequência, encarados com trivialidade ou até mesmo com humor, eles estão contribuindo para que as pessoas vejam a agressão à mulher como algo normal, até mesmo aceitável”, afirma.

Dentro das descobertas feitas com a pesquisa, as principais informações expostas foram:

- Os tipos mais frequentes de violência contra a mulher na televisão foram espancamento (29%), seguido de ameaças de violência (18%), vítimas de tiros (11%), estupro (8%), esfaqueamento (6%) e tortura (2%). 19% das referentes agressões resultou em morte.

- A violência para com os personagens femininos – ou as consequências de tais atos – foi representada visualmente em 92% dos casos . Apenas 5% de demonstrações violentas contra elas ficaram implícitas, e 3% foram apresentadas ao público na forma de uma descrição, sem apelo visual.

- Embora as vítimas femininas sejam, principalmente, adultas, houve um aumento de 400% na representação de adolescentes atingidas pela violência entre todas as emissoras, nos respectivos anos de pesquisa.

- De 2004 a 2009, houve um aumento de 81% de incidentes de atos de violência realizados por parceiros íntimos .

Com todos os aspectos da violência apresentada contra papéis femininos, com o aumento da representação de típicas adolescentes como vítimas, da violência doméstica e da mulher como bode expiatório em seriados de comédia, o PTC começa a chamar a atenção de todos os cidadãos. Segundo Winter, “num país em que mais de 60% das crianças são expostas à violência diariamente em suas próprias vidas (de acordo com o Departamento de Justiça norte-americano), temos que tomar muito cuidado para não normalizar o comportamento violento, principalmente contra as mulheres, pela programação televisiva”.

Mesmo sem contar com uma equipe de especialistas no assunto, a atriz Nicole Kidman também reparou no mesmo problema em Hollywood e, no dia 21 de outubro deste ano, afirmou frente ao Congresso norte-americano que a indústria cinematográfica provavelmente também tem contribuído para a violência contra a mulher por retratá-las como frágeis objetos sexuais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.