Quando conhecer e namorar pessoas na internet se tornou comum, o próximo passo foi descobrir o sexo sem a presença do outro. E isso é legal?

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=ModeloiG%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237491694847&_c_=MiGComponente_C

Dependendo de como a pessoa vive o relacionamento pela internet, se ele for eventual e com a clareza de que é parcial e permite apenas uma descarga momentânea de tesão, o sexo virtual pode ser saudável, sim, afirma o psicólogo e sexólogo Eduardo Yabusaki. Porém, não é isso que acaba acontecendo. Quase sempre as pessoas permanecem no mundo virtual e criam personagens e relacionamentos que não existem. Quando chegam a conhecê-los pessoalmente, acabam frustradas e decepcionadas, preferindo viver no virtual, pois ali tudo é exatamente como se deseja, fantasia e acredita ser, completa.

Como toda a situação, sexo virtual tem o seu lado bom e o ruim ¿ conforme o que  listamos aqui...

Porque o sexo virtual é legal

Na rede, a timidez desaparece
Segundo Eduardo, a prática pode beneficiar quem tem dificuldade em fazer uma aproximação pessoal, seja por timidez, acanhamento, retração ou mesmo falta de oportunidade. Sem dúvida a internet favoreceu formas de relacionamento que não necessitam que as pessoas tenham o contato direto ou a proximidade física, inclusive vivendo o sexo virtual, diz.

A distância parece curta
Faço sexo pela internet, com direito a webcam e tudo, mas só com o meu marido que passa a semana toda fora de São Paulo por causa do trabalho, conta Margareth*, 35. Acho que isso só apimenta o casamento e no fim de semana ele volta pegando fogo!, completa. Para o psicólogo, esta pode ser a forma mais saudável de se utilizar o recurso. A internet acaba sendo uma alternativa e não algo permanente, o que pode inclusive despertar fantasias e situações novas que possam ser posteriormente praticadas pessoalmente, defende.

Ele pode servir para um desbloqueio
Quem sabe se, ao se sentir à vontade nesta situação, o tímido passe a se expor e a procurar e facilitar o contato pessoal com o sexo oposto? Foi o que aconteceu com a curitibana Camila*, 22: Eu era virgem enquanto todas as minhas amigas já tinham transado. Uma delas me incentivou a entrar em uma sala de bate papo apenas para teclar com alguns meninos. Um deles chamou a minha atenção e conversamos diversas vezes, até que um dia ele começou a fazer provocações e eu cedi. Aconteceu a transa pela internet, e a sensação me encorajou a viver aquilo na vida real.

E não foi com o companheiro de chat que Camila transou pela primeira vez. É importante que as pessoas saibam que nada substitui o olhar, as expressões e o olho no olho, ou seja, a convivência com as pessoas com fins amorosos ou sexuais são inerentes à vida em sociedade, aconselha Yabusaki.

... E porque ele pode não ser tão legal assim

Porque pode tornar você exigente e idealista
O sexo virtual pode ser maléfico na medida em que a pessoa passe a se relacionar só de forma virtual. Navegar na rede proporciona, para muitos usuários, um fascínio, pois atua em seu mundo pessoal de fantasias e imaginário. Estas pessoas desenvolvem uma visão de que tudo é possível no virtual, enquanto a realidade mostra sempre o quanto a perfeição não existe, explica Eduardo.

Talvez se transforme em vício
A dona de casa Celeste*, 42, conta que passou a deixar seus programas cotidianos de lado para encontrar parceiros que topassem fazer sexo pela internet. Eu não achava que era vício, pois nem via prazer naquilo. Para mim se transformou em um jogo, cujo objetivo era convencer pessoas a fazerem sexo pelo computador comigo. O que era bem fácil, lembra. Segundo o psicólogo, esta realidade é um contra senso no que diz respeito a vida a dois. Caso a pessoa passe a se relacionar apenas dessa forma, isso pode se tornar uma ameaça ao envolvimento com outras pessoas.

Se não ajuda, atrapalha
Se, por um lado, as transas pela internet podem ajudar os mais tímidos, por outro ela pode reforçar a dificuldade daqueles que não têm uma boa convivência social. Se a pessoa é retraída e apenas busca relacionamentos pela internet, isso fará com que ela continue reclusa e pouco sociável, diz Eduardo.

Não dá pra saber quem está do lado de lá
Você se lembra da cena do filme Closer ¿ Perto Demais na qual dois homens heterossexuais começam uma transa virtual sem se dar conta de com quem estão teclando? Para o psicólogo, hoje o maior perigo é exatamente a excessiva liberdade que se vive no relacionamento virtual, pois nunca se sabe quem realmente possa estar do outro lado. Muitas vezes o que se encontra no mundo real coloca em risco a própria integridade física. E ainda a sensação de tudo pode do virtual pode impedir o respeito de certos limites na vida real também.

Lembre-se!
Se você é adepta do sexo virtual, não deixe de viver tudo aquilo que faz parte do cotidiano de qualquer pessoa, como sair com os amigos, se dedicar ao trabalho, ao lazer, a família, e tudo o que proporcione prazer, diversão e contentamento. A internet passa a ser uma cilada quando é vivida de forma exagerada. Quando as pessoas deixam de fazer coisas em prol delas mesmas para ficarem teclando ou navegando em sites que a envolvem e absorvem de forma intensa, analisa Eduardo.

*Os nomes foram trocados a pedido das entrevistadas.



Eduardo Yabusaki, psicólogo - http://www.instituto-h-ellis.com.br/

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.