Seriam os saltos altíssimos, usados por anos, os culpados pela aparência dos pés da atriz?

A atriz Sarah Jessica Parker, em Nova York: corpo lindo e pés castigados
AP
A atriz Sarah Jessica Parker, em Nova York: corpo lindo e pés castigados
A atriz Sarah Jessica Parker, 46 anos, chamou atenção na cerimônia de gala do New York City Ballet's, em Nova York, nos Estados Unidos. Não só pela boa forma e pelo belo vestido, mas também pelas veias grossas e saltadas nos pés.

Siga o @igsaude no Twitter

Ao periódico inglês Daily Mail, Sarah admitiu que o uso de saltos ao longo de anos definitivamente acabou com seus pés: "Eu basicamente os destruí. Eles não sentem nada, não têm sensibilidade".

“É normal ter veias saltadas nos pés e nas mãos. Quanto mais clara a pele, mais elas aparecem", explica o cirurgião vascular Charles Angotti, da Clínica Colaneri, de São Paulo.

"Algumas pessoas com alterações no sistema vascular, geralmente hereditárias, podem começar a desenvolver veias dilatadas e varizes com a idade. E o uso constante e principalmente o tamanho do salto podem contribuir para o aparecimento de problemas”, completa o médico.

Veias salientes também são comuns em quem faz muita musculação, diz o cirurgião vascular Eduardo Toledo de Aguiar, do Spaço Vascular, de São Paulo.

Leia mais: Saltos altos: lindos e perigosos

Segundo os especialistas, a perda de sensibilidade, no entanto, não poderia ser atribuída ao calçado. “As causas podem ser neurológicas ou posturais”, acredita Aguiar.

Detalhe dos pés, com veias salientes, da estrela Sarah Jessica
AP
Detalhe dos pés, com veias salientes, da estrela Sarah Jessica
Os pés marcados não devem ser apenas uma preocupação estética. “Pode ser a ‘ponta do iceberg’ das varizes. Por isso, diante de um caso como esse, solicitamos um ultrassom com Doppler para ver como está a circulação. Às vezes o problema só é visível naquela região, mas pode estar em toda a perna”, diz Angotti.

Além das veias salientes, as varizes apresentam sintomas como cansaço, sensação de peso nas pernas, câimbra e queimação, que costumam piorar no período menstrual.

Leia mais: Mitos e verdades sobre
vasos e varizes


Além da genética, outros fatores são desencadeantes das varizes: elevado número de gestações, trabalhar muito tempo em pé ou sentada e não fazer uma atividade física regular”, alerta Aguiar.

Em relação ao tratamento, se forem apenas vasinhos superficiais, eles são facilmente eliminados por meio de uma técnica chamada escleroterapia. Um líquido é injetado através de agulhas extremamente finas, dentro do vasinho, com a intenção de provocar uma inflamação da parede - esta inflamação destruiria a veia, transformando-a em uma cicatriz imperceptível.

Para os casos de varizes, dependendo do calibre das veias, os tratamentos podem ser a escleroterapia com espuma (feito em consultório, o procedimento é rápido e não impede as atividades diárias); laser (que destrói a veia por calor) e cirurgia (para casos de veias mais largas).

Leia mais: Como tratar vasos e varizes

Para evitar os problemas das veias salientes e das varizes, os médicos recomendam evitar a obesidade, criar o hábito de elevar as pernas por alguns minutos diariamente (especialmente se você trabalha muito tempo de pé ou sentada) e, principalmente, incorporar os exercícios no dia a dia. “Se você praticar atividade física regular vai dificultar o aparecimento de varizes”, finaliza Aguiar.

Siga lendo:
Programa de caminhada e corrida para sair do sedentarismo
Meias elásticas apenas aliviam sintomas de varizes

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.