Ganhos a partir de 5% da massa corporal podem reduzir o efeito da medicação usada para compensar deficiência na glândula

Controle do peso ajuda a evitar problemas com a medicação contra hipotireoidismo
Thinkstock/Getty Images
Controle do peso ajuda a evitar problemas com a medicação contra hipotireoidismo
As doenças da tireoide têm se tornado mais incidente nos últimos dez anos. Elas passaram de 3,9 para 14 casos por 100 mil habitantes. E são muito mais frequentes em mulheres – 90% dos casos. O problema costuma se manifestar após os 40 anos e no período pós-parto.

O tratamento contra doenças da tireoide requer uma série de cuidados que podem passar despercebidos, especialmente depois que o momento da crise foi superado e os sintomas, controlados.

A maioria das disfunções da tireoide é crônica, ou seja, não tem cura, apenas controle. No caso do hipotireoidismo, quando a glândula funciona mais lentamente do que deveria, o paciente deve ingerir hormônios artificiais diariamente para suprir a deficiência da tireoide.

A quantidade de hormônio prescrito pelo médico leva em consideração o peso do paciente. “variações a partir de 5% do peso corporal total podem interferir na eficácia do tratamento”, alerta a endocrinologista Ruth Clapauch, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem).

Leia sobre tireoide
Os fatores de risco de doença da tireoide

Cansaço pode ser doença na tireoide

Nos meses iniciais do tratamento, quando os sintomas estão sendo controlados aos poucos, é comum haver um acompanhamento bimestral do paciente, com exames de sangue a cada 45 ou 60 dias. Neste período, o controle médico é maior e assim as variações de peso e seu respectivo impacto no tratamento são mais fáceis de detectar.

Contudo, o acompanhamento médico costuma se tornar mais espaçado, com exames de controle a cada seis meses depois que os sintomas da doença são eliminados e um ritmo saudável ao organismo é estabelecido. Se o paciente engordar muito, o remédio perde efeito e os sintomas podem voltar.

Quanto mais a paciente ganhar peso, menos a medicação vai fazer efeito e maior será a propensão de ganhar ainda mais peso. Isso porque um dos sintomas do hipotireoidismo é justamente o ganho de peso.

Leia sobre interação medicamentosa
Antitbiótico e remédio para pressão: uma interação perigosa
Combinações perigosas ameaçam a pílula
Os principais erros ao tomar remédios

Como a glândula trabalha mais lentamente, todo o metabolismo se torna mais lento e isso influencia nos processos de queima e armazenamento de gorduras. A pessoa estará sujeita também a problemas como infertilidade, menstruação irregular, sensação de frio excessivo, inchaço nas pernas e ao redor dos olhos, pele ressecada e cansaço excessivo.

Forma-se um contexto favorável para a pessoa se tornar menos ativa, o que representa mais um fator para agravar o ganho de peso.

Interação

Embora o hormônio artificial seja uma réplica do natural, ele é também uma medicação. E todo medicamento está sujeito a alguma interação com outras substâncias metabolizadas pelo organismo.

O principal risco de interação está nos anticoncepcionais via oral. “Eles aumentam uma proteína que liga os hormônios da tireoide no sangue. Com eles menos livres, passam a agir menos e a doença pode voltar”, explica a médica.

Leia sobre exercício
Core 360° troca exercícios por tarefas
Peso livre ou aparelho: o que é melhor na musculação?
Hipertensão: exercício ajuda a reduzir medicação

Por isso, a médica recomenda sempre alertar o ginecologista de qualquer problema de tireoide antes dele prescrever algum contraceptivo oral. Além disso, a endocrinologista recomenda ainda fazer uma avaliação, com exame de sangue, cerca de 30 a 45 dias após o uso do novo medicamento para verificar qualquer influência dele na glândula.

Outra possibilidade importante de interação é com a soja. Se a pessoa passar por alguma mudança mais significativa na alimentação e incluir mais alimentos a base de soja, pode influenciar os hormônios artificiais.

“Se for descoberta uma alergia ao leite, por exemplo, e a pessoa passar a tomar leite de soja diariamente, isso pode gerar a necessidade de ajustes na medicação”, exemplifica a médica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.