Tirar o pelo de uma pinta com pinça pode causar câncer?

Um especialista esclarece o assunto e dá orientações sobre sinais de pele e câncer

The New York Times |

Getty Images
Sinal: embora nem todas as pintas evoluam para câncer, é bom ficar atento
Se você é daquelas pessoas que mal enxerga um pelo crescendo em uma pinta e já se apressa em eliminá-lo com a ajuda de uma pinça, provavelmente já ouviu de algum amigo ou parente que fazer isso pode ser perigoso.

Para quem acha que o hábito pode até causar câncer, o dermatologista Mark D. Kaufmann, de Nova York (EUA) esclarece:“Não. Mesmo cortando o pelo, não é possível mudar o comportamento de uma pinta."

Qualquer pinta do corpo pode ter potencial para se tornar cancerosa, ensina Kaufmann – ele é professor clínico associado do Departamento de Dermatologia da Escola de Medicina Mount Sinai – mas as que têm pelinhos na verdade têm menos probabilidade de gerar um câncer.

"Pintas escuras e com pelos nem sempre são câncer. Podem ser marcas de nascença, e o pelo indica que o crescimento está ocorrendo dentro da pele."

Qualquer pinta que aparece no corpo onde antes não havia sinal algum, ou que muda de aparência com o passar do tempo deve ser verificada por um dermatologista para garantir que não se trata de um sinal canceroso.

Para o melanoma, a forma mais agressiva e mortal de câncer de pele, os principais alertas muitas vezes são abreviados como A, B, C e D: A para assimetria (um lado da pinta é diferente do outro); B para irregularidade na borda; C para cor heterogênea; e D para diâmetro (maior que 6mm). Para evitar maiores problemas, o especialista recomenda: fique atento a esses sinais e procurar um especialista assim que perceber alguma alteração.

* Por C. Clairborne Ray

    Leia tudo sobre: câncer de pelepintapelos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG