Um pode invalidar o outro, embora a mulher possa precisar de ambos. Saiba como driblar a situação

Reposição hormonal atrapalha combate ao câncer de mama
Thinkstock Photos
Reposição hormonal atrapalha combate ao câncer de mama
Os nomes podem ser parecidos, mas os mecanismos são absolutamente opostos. Enquanto a terapia hormonal bloqueia a ação de alguns hormônios femininos, a reposição hormonal aumenta a presença deles no organismo da mulher.

O primeiro serve para combater determinados tipos de tumores, entre eles uma variação menos agressiva do câncer de mama. Já a reposição serve para controlar sintomas exacerbados da menopausa, como fogachos e perda de libido.

Descubra os mitos e verdades sobre reposição hormonal

Além dos nomes parecidos, a faixa etária das mulheres expostas aos tratamentos costuma ser semelhante. A maioria tem mais de 40 anos. Por isso, é possível que os médicos encontrem pacientes oncológicas que estejam fazendo reposição hormonal.

“O primeiro passo é suspender o tratamento”, orienta o oncologista Ricardo Caponero, presidente da Associação Brasileira de Cuidados Paliativos. Os dois tratamentos não podem ser realizados simultaneamente. “Um anularia o outro”, justifica o especialista.

Com a reposição suspensa, a mulher provavelmente voltaria a sentir os sintomas da menopausa e até com maior intensidade, devido ao início do combate ao câncer. “É algo ruim. Mas entre fogachos e câncer, é claro que é mais importante combater o câncer”, pondera o médico.

Conheça o dicionário dos tratamentos de câncer

Nem por isso os sintomas da menopausa ficariam de fora. Existem medicamentos e outras estratégias capazes de tratar qualquer sintoma da menopausa sem interferir na hormonioterapia. “Eles não são tão eficazes quanto a reposição hormonal, mas funcionam”, afirma Caponero.

Edilson da Costa Ogeda, ginecologista e diretor da maternidade do Hospital Samaritano, sugere o uso de produtos fitoterápicos. "Eles conseguem aliviar fogachos e até aumentam a libido", afirma o médico, que também é consultor da clínica CordCell.

Mesmo quando o tratamento contra o câncer já foi finalizado, a reposição hormonal não deve ser retomada. Existe uma discussão controversa e acalorada entre pesquisadores que debatem a possibilidade da reposição hormonal aumentar o risco de tumores na mama.

O debate começou em 2002, quando uma pesquisa conhecida como Women´s Health Initiative foi publicada no Journal of the American Medical Association. O trabalho teve 27 mil voluntárias americanas e chegou à conclusão de que o tratamento com hormônios aumentava os riscos de eventos como câncer de mama, infarto e AVC .

Dica de saúde: Aumente seu apetite durante a quimioterapia

Contudo, diversas entidades médicas questionam as condições em que a pesquisa foi conduzida. Entre os pontos de discórdia está a dose elevada de hormônio dada às mulheres, além do início supostamente precoce do tratamento.

De qualquer forma, quando a mulher terminar a terapia hormonal contra tumor de mama ela provavelmente já estará livre dos sintomas da menopausa. Isso por que a terapia hormonal costuma ser mais longa que outros tratamentos, ela comumente dura mais que cinco anos.

Os sintomas da menopausa costumam durar poucos meses e estão ligados ao início da menopausa, quando o organismo feminino está ainda se adaptando às transformações hormonais que marcam o fim do período fértil.

Depois da menopausa

Apesar do câncer apresentar esse conflito entre tratamentos opostos quando surge após a menopausa, o índice de cura é maior quando a terapia hormonal é feita neste período. “Ele chega a 60%, enquanto a fase pré-menopausa tem 40%”, compara o oncologista. “As mulheres na menopausa são mais sensíveis ao tratamento hormonal”, explica.

Apesar disso, nem sempre a terapia hormonal pode ser aplicada. Ela é eficaz apenas quanto o tumor expressa sensibilidade a um determinado receptor hormonal. “Existe uma forma de testar isso antes de iniciar o tratamento”, conta o médico.

Mesmo tendo a confirmação da sensibilidade pelo teste, algumas pacientes precisam combinar a hormônio terapia com outros tratamentos, como a quimioterapia. A decisão depende de muitos fatores, como o estágio do tumor e as condições de saúde da mulher. É uma avaliação médica muito individualizada.

Já no caso da reposição hormonal, ela é contraindicada por mulheres com doenças no fígado, problemas cardiovasculares ou após muitos anos da menopausa sem tratamento hormonal prévio. "Além disso, a reposição não deve ser realizada quando a mulher tem câncer de mama ou de ovário ou está em tratamento contra eles", afirma Costa Ogeda.

Tratamento preventivo

Mesmo antes de qualquer tumor dar sinal, a mulher pode adotar a terapia hormonal de forma preventiva contra o câncer de mama. “Isso é feito em grupos de risco. São considerados vários fatores como histórico familiar, número de filhos e idade da primeira menstruação”, explica a oncologista.

Nestas situações, a reposição hormonal também fica contraindicada e, caso a mulher tenha sintomas da menopausa, terá de tratar de outra forma.

Para identificar o contexto de risco aumentado, é preciso acompanhamento médico. Um dos exames mais indicados, eficaz no diagnóstico precoce do câncer de mama, é a mamografia . Ela deve ser realizada a partir dos 35 anos, mas pode ser feita antes.


Continue lendo

Exames da mulher

Controle da obesidade reduz câncer de mama em 28%

Soja é aliada da menopausa

Meditação e relaxamento ajudam a aliviar calores da menopausa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.