Publicidade
Publicidade - Super banner
Saúde da Mulher
enhanced by Google
 

Tarja preta: por que o Rivotril é tão consumido?

Na frente de remédios para dor de cabeça e febre, o ansiolítico nem sempre é prescrito adequadamente - e pode causar problemas

Glycia Emrich

Getty Images
Rivotril: riscos do consumo sem prescrição e acompanhamento
É de se desconfiar quando um remédio necessariamente controlado, de tarja preta, se torna o segundo medicamento mais vendido no país. De acordo com o Instituto IMS Heath, no ano passado os brasileiros consumiram 14 milhões de caixas, ficando atrás apenas do anticoncepcional Microvlar. Será que realmente há tanta gente que precisa ser medicada?


Para que serve
Além de ser ansiolítico (agir contra a ansiedade), o remédio é anticonvulsante, poderoso relaxante muscular (e por isso é usado muitas vezes para tratamento de insônia) e é usado até para casos de overdose de anfetamina.


Apesar de possuir tantas propriedades, a categoria dos tranquilizantes não acompanha o sucesso do Rivotril. “Essa categoria é apenas a sétima que mais vende no Brasil. Fica atrás de analgésicos, anticoncepcionais e mais uma lista de medicamentos”, conta a psiquiatra Andrea Mercantes.


Amigo Rivs
A professora do Ensino Médio Carolina Carpezim, 36 anos, faz parte dos adeptos do Rivotril há seis anos. Na sua bolsa, além do celular, batom e da chave de casa, há sempre uma caixinha do remédio.


“O primeiro comprimido ganhei de uma amiga, quando terminei meu relacionamento de cinco anos. De lá pra cá, não parei mais. Sempre que me dá uma baixa emocional já tomo um comprimido. O Rivs (apelidinho dado por quem consome) é a grande invenção da humanidade”, conta ela.


Efeito bem-estar
Esse uso descontrolado em qualquer sinal de alteração dos ânimos é um dos grandes fatores para as vendas do remédio estarem sempre em alta. “O problema não é apenas o vício e a dependência que o consumidor de Rivotril cria. Há aí um problema sério no atendimento médico ao paciente também. Basta dizer que não está bem e o médico logo receita o ansiolítico. Cria a sensação de bem-estar, mas não resolve o real problema”, explica Andrea.


Beatriz M. *, 23 anos, começou a se automedicar quando entrou na faculdade de Engenharia dos Alimentos, há cinco anos. Na sua turma de amigas, não tem uma que não toma o “milagroso remedinho”. “Todo mundo na faculdade toma. É tipo fumar maconha, tomar cerveja. E ele ainda melhora o seu dia rapidinho”, explica Bia.


Plínio Montagna, presidente da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, nota uma glamorização no ato de medicar-se. Os remédios psiquiátricos foram desmistificados e, hoje, são indicados até por quem não atua na área da Psiquiatria. “Emoções normais e importantes para a mente, como tristeza ou ansiedade em situação de perigo, são eliminadas porque incomodam”, diz ele.


Acompanhamento é essencial

O remédio, quando usado corretamente e com acompanhamento médico, tem sim propriedades importantes e que podem ajudar alguns tratamentos. “Ele pode ajudar muito no tratamento de ansiedade. Mas, para obter um resultado positivo, precisa de outros fatores – como terapia, exercício físico ou até antidepressivo. O ansiolítico serve como uma muleta, um apoio até todos os fatores juntos fazerem efeito”, explica a psiquiatra Annie Almond.


Cilada
Mesmo com acompanhamento, é preciso cautela. Rivotril causa dependência e não deve ser usado por muito tempo. O ideal é que ele seja usado apenas nas crises intensas e por no máximo seis semanas. Para quem é vítima do vício, podem aparecer crises de abstinência aguda.


A professora Carolina notou uma necessidade compulsiva logo após 40 dias que tomava o remédio. “Eu parei de tomar e passei a ter insônia, ficar irritada. Não teve jeito. Voltei a tomar o remédio imediatamente. Acho que vou ter que usá-lo para o resto da vida”, conta ela.


A facilidade de manter o uso indiscriminado do remédio tem um motivo preocupante: o acesso simples a um medicamento que é controlado. Apesar de ser vendido apenas com receita médica, não é tão difícil consegui-lo de outras formas.


“Uma amiga minha foi ao psiquiatra e aí aproveitei e pedi pra ela pegar uma receita pra mim. Foi tranquilo, não teve problema. Toda vez que preciso, ela me arruma. E se eu não tiver receita, sempre tem alguém que tem algum comprimido sobrando e quebra esse galho”, explica Beatriz. Pela internet também é possível comprar o medicamento sem apresentar qualquer prescrição médica.


Preço de bananas
O preço é outro fator essencial para o sucesso de vendas do remédio. É possível comprar uma caixinha com 30 comprimidos por apenas 9 reais. “O sucesso do Rivotril é decorrência do aumento dos casos de transtornos psiquiátricos e do perfil único do nosso produto: ele é seguro, eficaz e muito barato. O preço protege o nosso produto”, explica Carlos Simões, gerente da área de produtos de neurociência e dermatologia da Roche.


Aguentar a onda é preciso

A designer gráfica Patrícia D*, 31 anos, carrega sempre um Rivotril na bolsa quando resolve se jogar na balada. Para ela, é impossível curtir a noite toda e não fechar com a ingestão de um comprimido. “A galera toda toma ecstasy e depois tem que aguentar aquela “bad” que sempre bate. Pra evitar essa baixa emocional, a gente toma um Rivotril e fica novinha em folha”, conta a designer.


A ideia de que todo mundo deve estar o tempo todo feliz provoca essa busca incessante por qualquer coisa que mascare uma tristeza, uma dor, um mal estar emocional.
“Ninguém mais quer enfrentar a infelicidade e, por isso, há uma enorme busca por qualquer coisa rápida que esconda esse momento. É um problema sério de saúde pública. A população e especialistas no assunto precisam entender que algumas sensações e vivências são importantes para suportar a vida e encarar o mundo. Nem tudo pode ser medicalizado”, conclui Annie.
 

Leia tudo sobre: rivotrilautomedicaçãoremédios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG