Segundo ele, uma versão "simples" era produzida com silicone sem o selo de aprovação e vendida por um preço inferior

O advogado da empresa francesa que está no centro do escândalo de próteses mamárias disse à Reuters nesta terça-feira que a maioria das próteses vendidas pela companhia desde 1991 eram produzidas com silicone sem aprovação.

Leia: EUA alertaram sobre problemas nas próteses PIP em 2000

O advogado Yves Haddad, que representa a Poly Implant Protheses (PIP), hoje desativada, afirmou que a empresa vendia dois tipos de próteses: aquelas conhecidas como "simples", produzidas com silicone sem o selo de aprovação, e um produto mais sofisticado utilizando um silicone aprovado, destinado a clientes mais ricos.

"Existe um produto feito pela PIP que não recebeu oficialmente a aprovação (da agência regulatória) e nesse sentido houve violação de regulamentos", disse Haddad à Reuters.

Saiba qual é a orientação para as brasileiras que têm próteses PIP

Nenhuma acusação foi apresentada, mas um tribunal de Marselha deve anunciar acusações de fraude no próximo ano, disseram fontes jurídicas à Reuters.

Uma investigação sobre homicídio culposo foi aberta depois que uma mulher francesa morreu em 2010 com câncer , e tinha implantes da PIP.

* Por Marc Joanny e Jean-François Rosnoblet

Siga lendo notícias de Saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.