Publicidade
Publicidade - Super banner
Saúde da Mulher
enhanced by Google
 

Saiba porque mulheres também devem ir ao urologista

Poucas delas sabem que esse especialista, que cuida da parte genital e urinária deles, também é médico para elas.

AE |

Getty Images
Elas também têm de ir ao urologista!
Esta informação, alertam os médicos, evita que o diagnóstico das principais doenças do trato urinário feminino, como a infecção urinária, seja tardio.

"No caso das mulheres, o urologista deve ser acionado sempre que houver problemas no trato urinário, que inclui os rins a bexiga e a uretra", esclarece o professor doutor da Faculdade de Medicina do HC-USP, José Cury. "As mulheres são mais atingidas por alguns problemas urológicos, como é o caso das infecções e incontinência urinária. No entanto, esta informação não é bem disseminada entre elas que, em sua maioria, chegam ao nosso consultório por indicação de outro médico, como um clínico ou ginecologista, quando o problema já está mais grave ou o diagnóstico não é concluído", explica o chefe do serviço de Urologia do Hospital Municipal Souza Aguiar (RJ), Walter Cavalcanti.

Para o chefe do Departamento de Urologia Feminina da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), Rogério de Fraga, as pessoas acreditam, erroneamente, que a urologia está para o homem, como o ginecologista para a mulher. "No homem, o urologista cuida dos órgãos genitais e urinários, enquanto na mulher apenas o urinário. Esta confusão, algumas vezes, tarda o diagnóstico certo", diz.

Fraga esclarece, no entanto, que urologista na saúde feminina não é uma subespecialidade. "Uma vez formado para atuar como urologista, o médico pode cuidar tanto do homem quanto da mulher e praticar a urologia feminina", diz. "A urologia não é uma especialidade nova, a própria SBU tem mais de 80 anos", completa o médico.

Devido a maior longevidade do brasileiro cada vez mais crescente, Fraga ainda acredita que a presença feminina no consultório do urologista seja mais frequente no futuro. "Após a chegada da fase da menopausa, quase 50% das mulheres têm problemas na bexiga", diz ele.

Já o médico Fernando Almeida, do Setor de Urologia Feminina da Unifesp, alerta que o urologista atende as doenças do trato urinário da mulher em todas as fases da vida. "Desde a infância a mulher pode ter problemas no aparelho urinário. Ela pode ir direto ao urologista sempre que surgir um sinal de irregularidade nessa área, não precisa ser indicada por outro médico para isso."

Quando procurar um urologista

Conheça as doenças mais comuns da saúde feminina que são tratadas pelo urologista:

- Incontinência Urinária: É caracterizada pela perda involuntária de urina. É um problema de saúde mais comum entre mulheres de meia-idade e idosas. "Cerca de 20% da população feminina terá incontinência urinária depois dos 60 anos", alerta Cavalcanti. É tratável e geralmente não requer cirurgia.

- Infecção Urinária : É a presença de micro-organismos no aparelho urinário, que pode ser causada por bactérias, fungos e vírus. "Essas bactérias multiplicam-se com o passar do tempo enquanto um tratamento adequado não é instituído e podem atacar qualquer nível do aparelho urinário, desde a bexiga, causando cistite, até o rim, causando pielonefrite", alerta Fernando Almeida.

- Bexiga Hiperativa : O principal sintoma é a vontade incontrolável de urinar. É mais comum em mulheres. Aproximadamente duas mulheres para cada homem possuem o quadro da doença", diz Cavalcanti.

- Cistite Intersticial : É a inflamação crônica da bexiga, também conhecida como síndrome da bexiga dolorosa, pois se manifesta por dor pélvica constante. "O tratamento pode incluir medicamentos, restrições alimentares e procedimentos cirúrgicos. Já sua causa ainda é desconhecida", explica Almeida.

- Pedra nos Rins : "É a formação de cálculos nos rins por um processo biológico mais recorrente no adulto jovem", diz Cavalcanti, lembrando que, hoje, sabe-se que mudanças nos regimes alimentares - mais ricos em proteínas, sal e hidratos de carbono - aumentam a formação de cálculos. O tratamento é cirúrgico.

Por Marcela Rodrigues Silva

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG