Estudo feito com 3,6 mil mulheres mostrou um índice mais alto de mortalidade por câncer e doenças cardíacas entre as mais obesas

Diferenças: obesas tiveram índices mais altos de morte por câncer e doenças cardíacas
Getty Images
Diferenças: obesas tiveram índices mais altos de morte por câncer e doenças cardíacas
A obesidade é um importante fator de risco de morte entre mulheres não-fumantes obesas, especialmente aquelas de baixa renda, aponta um novo estudo conduzido Escócia.

Com duração de 28 anos, a pesquisa foi feita com 3.600 mulheres entre os 45 e os 64 anos, que nunca haviam fumado. Durante este período, metade das participantes faleceu, dentre elas 916 (51%) de doenças cardiovasculares e 487 (27%) de câncer .

Leia: Obesidade praticamente dobrou no mundo em 30 anos

A pesquisa revelou ainda que a obesidade severa é mais comum entre mulheres de baixa renda. O estudo também constatou que o índice mais alto de mortalidade foi observado entre as participantes mais obesas, enquanto que o mesmo índice entre as não-obesas foi relativamente baixo, independentemente do padrão sócio-econômico.

Publicado esta semana no site do periódico British Medical Journal, o estudo também apontou um índice mais alto de morte por doenças cardiovasculares entre mulheres de baixa renda, não ocorrendo o mesmo no caso de câncer .

Outra descoberta importante do estudo foi que mulheres que nunca haviam fumado se mostraram mais propensas à obesidade do que as fumantes. Este dado sugere que os altos índices de tabagismo de décadas passadas podem ter ocultado a extensão da obesidade entre mulheres não-fumantes, ao mesmo tempo em que um recente declínio nos mesmos índices pode ter contribuído para um aumento dos casos de obesidade.

Conheça as vilãs da mulher moderna

Apesar dos riscos que a obesidade apresenta, “é importante não esquecer que o tabagismo é um fator de risco (de morte) muito mais forte do que a maioria dos outros, incluindo a própria obesidade”, explicou o professor Johan Mackenbach, do Erasmus Medical Center Rotterdan, da Holanda, em um editorial publicado no mesmo periódico.

Siga lendo sobre tabagismo:
Mulheres têm mais dificuldade para largar o fumo
O rastro do fumo passivo no Brasil
Seis em 10 fumantes não abandonam cigarro mesmo após o câncer

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.