Hoje, Neuza diz que a nova forma física esquentou a relação e deu mais vontade de viver

O estilo de vida levou embora até os traços femininos. Nada mais em Neuza Medeiros lembrava aquela menina que já fora tão vaidosa. “Comia, comia e comia. Não era por fome não, parecia que era por raiva”, lembra. “Comia com as mãos até, só para ir mais rápido. Farinha, mandioca, doce, arroz, feijão, tudo junto.”

Neuza Medeiros reaprendeu a comer e venceu o diabetes
Divulgação
Neuza Medeiros reaprendeu a comer e venceu o diabetes
Os ponteiros da balança chegaram aos 140 quilos e a idade já avançava para os 50 anos. A mistura entre a obesidade e o passar da idade ficava ainda mais perigosa, porém nada parecia intimidar aquela mulher que só lembrava dela própria na hora de comer.

Neuza, de fato, achou que felicidade se resumia a comer um chocolate delicioso e gorduroso. Enquanto isso, tudo que um dia já havia lhe feito feliz ficava para trás, em segundo plano ou em plano algum.

O casamento que já parecia naufragar naquela comilança toda – e ela era unilateral, já que o primeiro amor de Neuza permaneceu com o mesmo peso desde o dia em que se conheceram – ainda tinha mais um problema que ecoava entre as quatro paredes.

“Eu roncava tão alto, tão alto que o meu marido pensou mesmo em me abandonar. E eu via meu casamento indo para o fundo do poço e tinha que fazer alguma coisa. Mas faltava disposição.”

Ao procurar saber a causa daquele ronco todo, Neuza descobriu que a explicação era o diabetes. Os médicos já haviam descoberto que quando os índices glicêmicos estão descontrolados um dos sinais é a “sinfonia noturna” e para deixar de fazer parte daquela estatística, Neide tinha que primeiro de tudo se convencer a mudar de vida.

Se não fosse pela saúde própria, poderia ser pela saúde financeira. Os tantos remédios necessários para controlar o colesterol, a hipertensão, o diabetes e os outros problemas descompensados não era nada fácil.

Seis meses após topar mudar de vida, Neuza já eliminou quase 45 quilos. Não toma mais nenhum medicamento e o diabetes está totalmente controlado. Ela não ronca mais também e, entre as quatro paredes, a vida ficou bem mais agitada. “Estou recuperando o tempo perdido” brinca.

Conheça outras histórias de mulheres diabéticas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.