Para chegar à maturidade saudável, cuidados devem começar ainda na adolescência, com a adoção de bons hábitos diários

Estilo de vida saudável e alimentação rica em cálcio na juventude previnem osteoporose na maturidade
Thinkstock/Getty Images
Estilo de vida saudável e alimentação rica em cálcio na juventude previnem osteoporose na maturidade

Existem muitos mitos em torno da osteoporose . Associar a doença única e exclusivamente à terceira idade é um deles. Isso faz com que muitas mulheres jovens menosprezem cuidados que podem preveni-la. Realmente o problema compromete a saúde das idosas: as estatísticas apontam para 1/3 das mulheres entre 60 e 70 anos de idade e 2/3 entre aquelas com 80 anos ou mais. Mas as jovens não podem ficar de fora da prevenção já que aos 35 anos a população feminina já começa a perder massa óssea.

No mundo, cerca 1,7 milhão de fraturas no quadril são atribuídas à osteoporose a cada ano. Calcula-se que este número chegue a 6,3 milhões em 2050. Metade das mulheres com osteoporose terá fraturas e cerca de 25% das que tiverem o fêmur quebrado vão morrer após um ano.

No Brasil, dados do IBGE apontam que cerca de um milhão de mulheres poderão ficar inválidas e pelo menos 200 mil irão morrer vítimas da osteoporose, nos próximos anos, se a doença não for combatida. Estas estimativas colocam a doença como uma das principais causas de morte entre a população feminina no país.

Mata tanto quanto câncer

“A partir dos 60 anos, fraturas de fêmur podem levar à mortalidade em torno de 40%. É uma estatística próxima à de mortes por câncer de mama e infarto ”, diz a reumatologista Maria Cecília Anauate, do Hospital Santa Paula, de São Paulo.

Para combater esses assustadores números, os especialistas recomendam a adoção de medidas simples, desde cedo. ”A prevenção da osteoporose deve iniciar ainda na adolescência. As meninas precisam de um estilo de vida saudável, com alimentação rica em cálcio , atividade física – de preferência de impacto, como a corrida - e exposição regular ao sol, entre 7 e 10 horas da manhã e ao final da tarde”, explica a reumatologista.

Mulheres que não fazem um aporte suficiente de cálcio na infância e adolescência costumam entrar na zona de risco para fratura óssea mais cedo. De acordo com a médica, poucas ingerem de fato uma quantidade diária de cálcio próxima ao ideal para proteger os ossos.

“Perto dos 15 anos, as meninas já adquiriram cerca de 90% do seu pico de massa óssea. A partir dos 35 anos a mulher começa a perder massa óssea e esse processo é acentuado ainda mais depois dos 45 anos. Algumas perdem entre 10% e 15% nos primeiros oito anos após a menopausa”, afirma Maria Cecília Anauate.

Estudos recentes mostram que a ingestão diária de cálcio por adolescentes deveria ser 1300 mg/dia. Para se ter uma ideia, um copo de leite, 200 gramas de iogurte e 50 gramas de queijo contêm cada um cerca de 300 mg de cálcio. Alimentos ricos em cálcio - como iogurte, sardinha, pescada e manjuba - também são boas opções.

Vale lembrar que os principais fatores de risco da osteoporose são hereditariedade, raça, sexo e idade, além da baixa ingestão de cálcio, fumo , álcool , sedentarismo e estresse .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.