Uso combate apenas o inchaço e a dor, mas não evita avanço do problema

Meia calça também ajuda contra sintomas das varizes
Getty Images
Meia calça também ajuda contra sintomas das varizes
Quando um médico prescreve meias elásticas contra varizes, problema comum de circulação , muitas mulheres já entortam o nariz.

A ideia de usar meias apertadas o dia todo nem sempre agrada, especialmente no calor de um país tropical. Pior ainda quando a paciente se dispõe a usar a tal meia e as varizes não param de avançar.

As meias compressoras têm má fama e isso acontece porque muitos conceitos errados estão associados a elas. Ao menos essa é a opinião do angiologista Marcondes Figueiredo, coordenador da diretriz de compressão elástica da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

“É preciso esclarecer algumas coisas”, alerta.

Leia também: As dez doenças que mais afastam as pessoas do trabalho

A primeira delas é que meias elásticas não impedem o avanço das varizes. “Elas servem para combater os sintomas. São como óculos, eles não deixam a pessoa menos míope, apenas corrigem a visão”, explica.

A compressão das meias reduz o inchaço das varizes, que costuma incomodar especialmente no final do dia. Assim, o risco de edemas é menor e a mulher também fica livre daquela sensação de cansaço e peso nas pernas.

Esse resultado é obtido com uma compressão de intensidades diferentes ao longo da meia, sendo mais intensa nos pés e menor na perna. Isso favorece o retorno do sangue venoso e evita acúmulo nas veias.

Só até o joelho

Nem toda meia compressora precisa ser como a meia calça, da cintura aos pés. “A maioria das prescrições é para usar meias três quartos”, afirma o médico. Isso porque a maioria das varizes se concentra abaixo dos joelhos.

Se a mulher residir em cidades muito quentes, como as do nordeste brasileiro, o uso da meia não precisa ser feito o dia todo.

“Não dá para esperar que a mulher aguente ficar com essas meias sob o calor de 40 graus”, comenta o médico. O uso apenas no período da manhã já ajuda no controle dos sintomas.

Quem não pode

Existem basicamente duas situações nas quais as meias elásticas devem ser evitadas. A primeira é quando as varizes se tornaram graves o suficiente para abrir feridas na perna. Essas feridas requerem um tratamento anterior ao uso das meias, pois elas podem piorar se forem comprimidas.

O segundo caso acontece quando há entupimento das artérias, a chamada aterosclerose. O problema consiste na formação de placas dentro dos vasos sanguíneos, que têm seu diâmetro reduzido.

“Neste caso, a compressão das meias vai reduzir ainda mais as artérias e prejudicar o problema”, ressalta o especialista.

Veias dilatadas

As varizes, diferente da aterosclerose, atacam as veias e não as artérias. Artérias levam o sangue com oxigênio para as extremidades do corpo. Depois disso, o sangue usa as veias para retornar das extremidades e se abastecer com oxigênio novamente.

Mas no percurso, no retorno venoso, o sangue pode se deparar com dilatações e formar as varizes. A formação delas pode estar ligada a diversos fatores, como excesso de peso, gravidez, idade avançada e postura inadequada no trabalho.

“A incidência é maior em mulheres”, aponta Figueiredo. A relação é de um homem com varizes para quatro mulheres.

Leia mais: Retenção de líquido ou sobrepeso?

Mitos

Calça justa, salto alto, meias apertadas, viagens longas, postura errada no trabalho, existe uma série de mitos e verdades mal compreendidas sobre varizes. Entre os principais, mais questionados nos consultórios médicos, está o uso da pílula.

Especialistas esclarecem que o uso contínuo e prolongado de anticoncepcionais pode provocar retenção de líquidos e dilatação nas veias. Veja outros mitos aqui .

Tratamentos

Quando as varizes ainda são pequenas, com vasos de poucos milímetros, o prejuízo é apenas estético. Como não existem sintomas, é inútil usar meias elásticas. Um dos possíveis tratamentos é com escleroterapia. O médico destrói as microvarizes com injeções no local, sem que haja prejuízo para a circulação.

“É comum dizer que as varizes voltam, mas não é isso que acontece. Outras varizes aparecem com o tempo, mas aquelas foram totalmente destruídas”, esclarece Figueiredo. A solução pode ser refazer o tratamento a cada dois anos, quando novas veias começarem a aparecer.

Em vasos maiores, é necessário cirurgia. O procedimento é simples e pode ser feito, em alguns casos, com anestesia local. Ele consiste na eliminação dos vasos doentes para evitar o avanço do problema, que pode provocar até úlceras nas pernas.

Continue lendo:
Como tratar vasos e varizes
Como acabar com as varizes e vasinhos indesejáveis

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.