Estão sem dose 37% das gestantes, sendo elas as que mais morreram da gripe suína este ano

A gripe suína matou 50 pessoas este ano, sendo uma em cada cinco delas grávida. Apesar de estarem no alvo das infecções letais do vírus H1N1, as gestantes são as que menos tomaram a vacina contra a doença respiratória.

Vacina é segura até para gestantes, garantem os médicos
Getty
Vacina é segura até para gestantes, garantem os médicos
Balanço divulgado nesta sexta-feira, dia 7, pelo Ministério da Saúde mostra que 37% das mulheres grávidas não estão em dia com as vacinas contra a gripe suína. O grupo é o único que poderia receber as doses de graça mas falhou no comparecimento aos postos de saúde. Além delas, as crianças entre 0 e 2 anos, a população indígena, profissionais de saúde, jovens entre 20 e 39 anos e portadores de doenças crônicas também foram escolhidos como público a ser imunizado gratuitamente.

“Todos os profissionais de saúde foram vacinados dentro do protocolo. A população indígena está em 75%, muito perto de alcançar a cobertura, mas ainda tem gente sendo vacinada. As crianças com menos de dois anos foram todas vacinadas e alcançamos 100% de cobertura. Já as gestantes estão em 63% e temos que acelerar e insistir para as mulheres se protegerem em qualquer fase da gestação”, afirmou o ministro da Saúde José Gomes Temporão. “Alcançamos (o índice de vacinados) de 82% dos pacientes com doenças crônicas, inclusive os idosos. Entre os adultos saudáveis, de 20 a 29 anos, alcançamos 70%, mas estamos bem perto de atingir a meta de 80%, explicou Temporão ao acrescentar que "aparentemente as gestantes ainda têm resistência em tomar a vacina".

O erro da baixa adesão das mulheres grávidas é reforçado pelos dados de vítimas da gripe suína calculados este ano. O inverno ainda nem chegou de forma plena- é na estação mais fria do ano que os casos acontecem com maior frequência – e já foram registradas 361 internações da gripe H1N1, até o dia 3 de abril. Desse total, 20% casos estiveram relacionados à gestação. Em relação às 50 mortes notificadas, as mulheres correspondem a 76%, sendo 32% delas gestantes.

No ano passado, 189 grávidas morreram ao todo e a letalidade entre os casos graves foi 50% maior do que na população geral. Os especialistas reforçam que a vacina para gestantes é segura e não há contraindicação. O Ministério já creditou às falhas no comparecimento nos postos às redes sociais , que divulgaram informações falsas sobre as doses, como exemplo que elas não foram testadas cientificamente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.