Ginecologista ensina como a alimentação e as receitas naturais podem ajudar nesta fase da vida feminina

Alimentos como o cranberry (fruta ou suco) ajudam a controlar os sintomas da menopausa
Getty Images
Alimentos como o cranberry (fruta ou suco) ajudam a controlar os sintomas da menopausa

Uma dieta balanceada e uma receitinha natural podem ajudar às mulheres na menopausa a aliviarem os sintomas típicos do período, como as ondas de calor, o inchaço e o ganho de peso.

Leia: 12 passos para uma menopausa saudável

O ginecologista Alexandre Faisal – pesquisador em prevenção da saúde feminina pela Universidade de São Paulo (USP) e há 20 anos diretor da Unimed, diz que a alteração hormonal que acontece nesta fase pode ser compensada com a alimentação.

Leia mais sobre alimentação saudável

Além dos grãos, algumas ervas, que podem ser preparadas como chás, também podem ajudar.

Veja a galeria com os alimentos sugeridos pelo especialista

Leia a entrevista com o especialista:

Delas: A menopausa é caracterizada por uma série de sintomas, como calores, desânimo e mau humor. A alimentação pode ser aliada para  aliviar estas condições?

Alexandre Faisal: Os sintomas da menopausa são decorrentes, em um grupo de mulheres (não todas) da falta do hormônio estrogênio. Em tese, os substâncias que têm propriedades estrogênicas, podem ser úteis no combate dos sintomas. As isoflavonas, por exemplo, podem melhorar sintomas como ondas de calor, mas vale ressaltar que os estudos que utilizaram este composto por via oral (como um tratamento médico convencional) são contraditórios, sendo que alguns apontam benefícios e outros não. O mais sensato é pensar que uma dieta equilibrada e balanceada deve fazer parte do cardápio de todas as mulheres, mesmo antes da menopausa.

Delas: Quais seriam os alimentos indicados para este período?

Faisal: As isoflavonas são encontradas em grande número de leguminosas (soja, feijão, grão-de-bico). Os derivados da soja (leite de soja, tofu) são os mais indicados. Outras plantas com atividade estrogênica são a erva de São João, a valeriana e a cemicifuga racemosa (erva de são Jorge, também chamada de erva da menopausa). O cranberry (frutinha vermelha) também ajuda.

Delas: As mulheres também costumam engordar nesta fase. É preciso reduzir a quantidade de comida após a menopausa?

Faisal: A menopausa é frequentemente acompanhada por diminuição da atividade física e aumento da ingestão de calorias. Isso é a principal causa de obesidade. A terapia de reposição hormonal pode se associar com ganho de alguns quilos no início do tratamento. Claro, aspectos genéticos e individuais têm importante participação neste tipo de problema. Em geral, se a mulher após a menopausa conseguir manter atividade física regular, ela terá menos necessidade de diminuir a ingestão de alimentos e, assim, manterá o balanço calórico adequado, sem ficar obesa.

Delas: Apesar dos exercícios físicos serem indicados, sabemos que  na menopausa as mulheres são mais vulneráveis à osteoporose. A alimentação também pode contribuir para isso?

Faisal: A massa óssea feminina é constituída ao longo da vida, e nela, influenciam questões diversas tais como fatores genéticos, atividade física, uso de determinados medicamentos. A perda de massa óssea que ocorre após a menopausa terá impacto maior nestas mulheres que não constituíram massa óssea adequada ao longo dos anos. E a reposição hormonal ajuda no tratamento da osteoporose . Mas em relação à dieta, o ideal é que seja rica em cálcio, antes e após a menopausa. O leite, e seus derivados, a sardinha e algumas leguminosas são os mais indicados. Atualmente, a reposição de cálcio fica limitada a mulheres que apresentam fatores de risco para ou osteoporose estabelecida.

Quer receber notícias do universo feminino semanalmente na sua caixa de emails? Assine a newsletter do Delas!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.