Remédios usados no tratamento de Fertilização In Vitro para estimular a produção de óvulos pode ser o problema, diz estudo

selo

Estudo alerta para remédios utilizados no processo de fertilização in vitro
Getty Images
Estudo alerta para remédios utilizados no processo de fertilização in vitro
Remédios usados em tratamentos de Fertilização In Vitro (FIV) em mulheres mais velhas podem aumentar os riscos de que elas tenham bebês com Síndrome de Down, dizem especialistas.

Os cientistas já sabem que os riscos de uma mulher ter um filho com a condição aumentam em proporção direta à idade da mãe, especialmente a partir dos 35 anos de idade.

Agora, após um estudo pequeno envolvendo 34 casais, pesquisadores da Grã-Bretanha e Alemanha dizem suspeitar de que determinadas drogas usadas para estimular os ovários na FIV em mulheres mais velhas afetem o material genético dentro dos óvulos.

Leia também: Total de gestantes com mais de 35 anos triplica

O estudo foi apresentado durante uma conferência da European Society of Human Reproduction and Embryology em Estocolmo, na Suécia. A equipe, do London Bridge Fertility, Gynaecology and Genetics Centre, em Londres, Inglaterra, e da Universidade de Bonn, na Alemanha, disse que serão necessárias mais investigações para confirmar sua hipótese.

Os pesquisadores dizem também não saber ao certo qual seria a magnitude do risco, mas acreditam que os remédios podem estar associados a outras anomalias genéticas.

A Síndrome de Down, também conhecida como Trissomia 21, é um distúrbio genético resultante da presença de três cópias do cromossomo 21 em vez de duas. Toda célula de um indivíduo com a condição contém 47 cromossomos em vez de 46. A condição é caracterizada por problemas de desenvolvimento mental e físico.

Estudo

Os 34 casais participantes haviam recorrido à técnica mais comum de reprodução assistida, a FIV. Todas as mulheres do grupo tinham mais de 31 anos e tomaram remédios que estimulam os ovários a liberar óvulos.

Ao analisar os óvulos já fertilizados, os cientistas verificaram que alguns deles apresentavam erros genéticos. As anomalias encontradas poderiam resultar no fim da gravidez (por aborto natural) ou em nascimentos de bebês com distúrbios genéticos.

Uma análise mais detalhada de cem dos ovos que continham anomalias revelou que a maioria dos erros genéticos envolviam duplicações de cromossomos.

Leia também: Maioria das mulheres perde quase 90% dos óvulos até os 30 anos, diz estudo

Frequentemente, o erro resultou em uma cópia extra do cromossomo 21. No entanto, os pesquisadores encontraram nos ovos fertilizados in vitro padrões de erros genéticos diferentes, e mais complexos, daqueles encontrados em casos clássicos de Síndrome de Down observados em bebês de mães mais velhas que engravidam naturalmente.

Isto levou os pesquisadores a suspeitar de que o tratamento de FIV seria o responsável. "Isto pode ser um indício de que a estimulação dos ovários estaria provocando alguns desses erros", disse Alan Handyside, diretor do London Bridge Fertility, Gynaecology and Genetics Centre e chefe do estudo.

"Já sabemos que esses remédios de fertilidade podem ter um efeito similar em estudos de laboratório. Mas precisamos trabalhar mais para confirmar nossas descobertas". Se mais testes confirmarem a hipótese da equipe, pode ser que médicos sejam mais cuidadosos ao recomendar esse tipo de tratamento, disse Handyside.

O grupo disse esperar que seu estudo possa também ajudar a identificar que mulheres se beneficiariam mais de técnicas de reprodução assistida que utilizam ovos doados em vez da FIV.

Outro cientista envolvido no estudo, Joep Geraedts, da Universidade de Bonn, disse: "Isto (este estudo) já é um grande passo adiante que ajudará casais que têm esperanças de uma gravidez e nascimento saudáveis a alcançar isso".

Repercussão

Comentando o estudo, o especialista britânico em fertilidade Stuart Lavery, médico do Queen Charlotte’s Hospital, em Londres, disse: "Há um grande aumento no número de mulheres com idade mais avançada se submetendo a tratamentos por FIV". 

"Anteriormente, achávamos que essas anomalias nos cromossomos estavam associadas à idade do ovo. O que esse trabalho mostra é que muitas das anomalias não são aquelas convencionalmente associadas à idade. (O estudo) aumenta a preocupação de que algumas das anomalias estejam relacionadas ao tratamento".

"Não está muito claro se a medicação em si estaria afetando a qualidade do óvulo ou se a medicação estaria apenas reforçando o problema e excluindo óvulos que o sistema de controle de qualidade da natureza teria descartado (no processo natural de engravidamento)".

Saiba mais:
Relógio biológico da gravidez
Exame de sangue permitirá prever síndrome de Down
Nascem bebês de proveta que passaram por exame genético
Congelar óvulos está cada vez mais viável, mas técnica ainda não garante gravidez futura

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.