Novas pesquisas confirmam que certo tipo de distúrbio do sono pode ser um aviso prévio do Mal de Parkinson e de outras doenças neurológicas.

Problema no sono alerta sobre desenvolvimento de doenças degenerativas até 50 anos antes
Getty Images
Problema no sono alerta sobre desenvolvimento de doenças degenerativas até 50 anos antes
Cientistas descobriram que pessoas que sofrem do Distúrbio Comportamental do Sono REM (DCSR) - condição na qual o paciente representa seus sonhos através de movimentos corporais bruscos no ciclo REM (rapid eye movement) – chegam a desenvolver Parkinson e outros distúrbios neurológicos relacionados até meio século mais tarde.

As descobertas sugerem que o desenvolvimento de tais distúrbios neurológicos podem começar bem mais cedo do que se suspeitava até então. Assim que os pesquisadores conseguirem identificar quais pacientes com DCSR virão a desenvolver uma doença degenerativa – o que ainda não é possível – pode ser que eles consigam intervir mais cedo no processo.

“Só iremos realmente causar impacto em doenças desse tipo se conseguirmos intervir no processo mais cedo”, disse Bradley F. Boeve, autor sênior do estudo lançado em uma prévia online no dia 28 de julho - o lançamento impresso será no dia 10 de agosto na revista especializada Neurology.

“Se pudermos intervir quando a doença ainda estiver no tronco cerebral e não tiver afetado outras estruturas críticas do cérebro, esperamos conseguir pelo menos desacelerar seu desenvolvimento”, disse ele.

Outro especialista, Michael Thorpy, concorda com Boeve. “Isso é importante para entendermos a progressão da doença, pois o DCSR obviamente precede em muitos anos outras manifestações clinicas do Parkinson”, afirmou o diretor do Centro dos Distúrbios do Sono do Montefiore Medical Center, na cidade de Nova York. “No futuro, se viermos a ter algo que possa realmente modificar o processo de desenvolvimento do Parkinson, então diagnósticos em estágios mais iniciais serão cruciais”.

Primeiras descobertas

Segundo Boeve, professor de neurologia da Mayo Clinic de Rochester, estado de Minnesota, uma ligação entre o Parkinson e o DCSR foi notada pela primeira vez por pesquisadores daquela clínica algumas décadas atrás. Até o momento, o intervalo médio notado entre as duas manifestações era de cerca de 10 anos.

“Algumas pessoas nos contam que a noite de núpcias – primeira vez em que os casais dormiam juntos naquela época – era a primeira indicação de um problema. Esposas relatavam que tinham levado socos e não tinham ideia do que teriam de agüentar por muitas décadas a seguir”, conta Boeve.

Boeve e os outros autores do estudo analisaram os arquivos da Mayo Clinic para identificar 27 pacientes que apresentavam DCSR e acabaram desenvolvendo Parkinson, Demência por Corpúsculos de Lewy (DCL) ou Atrofia Sistêmica Múltipla – todas elas doenças degenerativas – 15 ou mais anos depois.

Treze dos pacientes foram diagnosticados com Demência, outros 13 com Parkinson e um apresentou Atrofia Sistêmica Múltipla. Dentre as centenas de pacientes integrantes do banco de dados (que incluía pessoas que apresentaram um intervalo mais curto entre os dois diagnósticos), apenas um que sofria do transtorno de sono teve confirmação de Parkinson através de autópsia, disse Boeve.

Os pesquisadores descobriram que o tempo médio entre a manifestação do DCSR e de uma das outras doenças foi de 25 anos. 

O distúrbio do sono

Boeve diz que é preciso ter cautela, pois nem todo mundo que apresenta movimentos corporais bruscos durante os sonhos sofre de DCSR. “Pode ser que estas pessoas tenham outro tipo de distúrbio do sono e produzam sintomas semelhantes”, disse ele.

O professor afirma que é improvável que todo mundo que sofra de DCSR venha a desenvolver Parkinson ou um distúrbio afim, se viverem tempo suficiente. Carlos Singer, professor de neurologia da University of Miami Miller School of Medicine, disse que os médicos não conseguirão identificar candidatos para uma intervenção em estado inicial “a menos que encontremos outra pista de como distinguir (os que progridem dos que não progridem) em estádio inicial”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.