Estudo clínico revela que unir medicamento a quimioterapia retarda avanço de tumor no ovário

"Este é o primeiro teste clínico de fase 3 que mostra que bloquear a formação de vasos sanguíneos dos tumores melhora consideravelmente a sobrevivência, sem o desenvolvimento da doença nas mulheres com câncer de ovário ou peritoneal, muito difícil de tratar", explicou Robert Burger, do Fox Chase Cancer Center, na Filadélfia (Pensilvânia, leste), que chefiou a pesquisa.

"Os resultados do teste clínico mostram que o Avastin é um fármaco inicial aceitável para as pacientes que sofrem de câncer avançado de ovário", acrescentou, ao apresentar os resultados na conferência anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, reunida este fim de semana em Chicago (Illinois, norte).

O Avastin, comercializado pela empresa americana Genentech, que faz parte do grupo farmacêutico Roche, já foi autorizado pela Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos para o tratamento de vários cânceres metastásicos, entre eles os de colon, seio, rim, cérebro e pulmão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.