Pesquisadores apostam nessa propriedade para desenvolver uma nova terapia

Autoexame: ele ajuda a detectar o câncer de mama, mas não dispensa a visita ao ginecologista
Getty Images
Autoexame: ele ajuda a detectar o câncer de mama, mas não dispensa a visita ao ginecologista
Células sadias da mama produzem uma proteína – a interleucina 25 (IL-25) – que "envenena" células cancerosas na vizinhança. 

Pesquisadores já sintetizam a substância em laboratório e apostam na sua viabilidade como uma futura terapia contra cerca de 20% dos tumores de mama.

Leia: 7 passos para diminuir mortes por câncer de mama

Baixa toxicidade e alta eficácia constituem as principais vantagens da IL-25 sobre a maioria dos tratamentos disponíveis. Como a substância faz parte do arsenal inato do organismo para detectar e destruir células defeituosas, sua ação é muito seletiva: não causa danos às células sadias e devasta o câncer .

Todos os dias, o corpo humano gera cerca de mil células anormais que podem se transformar em câncer. Graças ao sistema imunológico inato, a imensa maioria é erradicada antes de causar qualquer problema. A IL-25 pertence a esse sistema.

Em 20% dos tumores de mama, as células cancerosas absorvem grande quantidade de IL-25 produzido por células sadias. A proteína intoxica o tumor. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.