Cansaço pode ser doença na tireoide

Por Bruno Folli, iG São Paulo

compartilhe

Tamanho do texto

No passado problema era chamado pelos médicos de síndrome da dona de casa cansada

Quando a mulher chegava aos 40 ou 50 anos, uma série de transformações acontecia: os filhos começavam a sair de casa, a menopausa chegava e o marido se aposentava. Esses eram os principais "sintomas" usados pelos médicos dar o diagnóstico de... síndrome da dona de casa cansada.

“Não é mentira. Isso realmente estava descrito em livros de medicina há uns 40 ou 50 anos”, afirma Laura Ward, professora da Unicamp e vice-presidente do departamento de tireóide da SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia).

A glândula tireóide fica no pescoço, na altura do pomo de adão
Thinkstock/Getty Images
A glândula tireóide fica no pescoço, na altura do pomo de adão
Essa improvável síndrome reunia sintomas como cansaço excessivo, depressão, lentidão, dor de cabeça e palidez. Hoje, a medicina avançou e se tornou capaz de identificar a produção irregular de hormônios pela glândula tireoide, doença chamada de hipotireoidismo. “Provavelmente era isso que causava a síndrome da dona de casa cansada”, avalia Laura.

Como aconteceu no passado, o hipotireoidismo continua sendo confundido com outras doenças porque seus sintomas são pouco específicos. Mas o perfil dos pacientes já é bem conhecido. Cerca de 90% dos portadores são mulheres, sendo que a doença se torna mais incidente após os 40 anos e no período pós-parto.

“A prevalência de problemas na tireoide é de 10%. Isso foi verificado em estudos internacionais e confirmado por um recente estudo feito em Bauru, neste ano”, revela a endocrinologista.

Apesar dos sintomas serem pouco específicos na maioria dos casos, existem alguns sinais mais característicos como queimação gástrica, constipação intestinal, falta de ar, angina e perda de audição.

Hormônios fora de controle

Quando esses sintomas se manifestam, é sinal que os hormônios da tereóide – T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina) – já estão bem abaixo do normal. Quando isso acontece, a glândula hipófise aumenta o nível de TSH para estimular mais a tireoide.

“É uma forma de tentar compensar a doença”, explica a endocrinologista Gisah Amaral de Carvalho, professora da Universidade Federal do Paraná. Quando esses hormônios todos saem do normal, a pessoa se torna sujeita a muitos problemas graves. Um deles é a depressão.

“Pacientes com a taxa de TSH acima de 10 têm três vezes mais chances de manifestar sintomas depressivos”, afirma. Um estudo feito nos Estados Unidos, na Universidade da Carolina do Norte, revela que é três vezes maior (56%) a incidência de ao menos um episódio de depressão em mulheres com ligeira diminuição das funções da tireoide.

Melhor diagnóstico

O exame de TSH é o mais indicado para diagnosticar o hipotireoidismo precocemente. Isso porque este hormônio é o primeiro a manifestar alterações. “Ele se eleva 100 vezes mais do que o T4 diminui”, compara Laura.

O diagnóstico por alterações de TSH pode ser feito no estágio sub-clínico, quando a pessoa não tem nenhum sintoma. “Como o exame não é caro e é coberto por muitos planos, ele pode se tornar um exame de rotina. Ele pode ser feito junto a testes de colesterol, por exemplo, especialmente a partir dos 40 anos”, recomenda Laura.

Campanha

A farmacêutica Sanofi-Aventis acaba de lançar a Campanha Mulher Sem Falta, na qual alerta para a importância dos sintomas e do diagnóstico precoce. O foco são mulheres com mais de 30 anos, faixa etária na qual a prevalência da doença aumenta. Como parte da campanha, a farmacêutica lançou um site para dar mais detalhes sobre a doença.

Especialistas revelam que a incidência da doença tem aumentado, ela passou de 3,9 para 14 casos em cada 100 mil habitantes nos últimos 10 anos. E um dos motivos seria o envelhecimento da população.

“Alguns fatores ambientais também podem influenciar, como o consumo de alimentos industrializados e produtos tóxicos (cigarro), além da exposição à radiação, caso de alguns tratamentos contra câncer”, afirma Laura.

Além do site, a farmacêutica pretende levar a campanha ao Metrô de São Paulo e às mídias sociais.

Leia tudo sobre: hipotireoidismotireóidepescoço

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas