A mortalidade por câncer de mama na cidade de São Paulo se divide em dois extremos

selo

A mortalidade por câncer de mama na cidade de São Paulo se divide em dois extremos
Getty Images
A mortalidade por câncer de mama na cidade de São Paulo se divide em dois extremos
A mortalidade por câncer de mama na cidade de São Paulo se divide em dois extremos. Se nas zonas leste, noroeste e extremo sul a maioria das pacientes morre entre 45 e 59 anos, em plena idade produtiva, nas regiões norte, sudoeste e central a faixa etária mais atingida é a de idosas, com 75 anos ou mais. São, em média, mais de 20 anos de diferença.

Siga o iG Saúde no Twitter

A desigualdade na evolução da doença aparece em um estudo encomendado pela Secretaria Municipal da Saúde ao Hospital Israelita Albert Einstein, em parceria com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e obtido com exclusividade pelo Jornal da Tarde.

Leia também : Internação por câncer de mama em jovens cresce 10% no País

Os dados, que levam em conta mortes ocorridas tanto na rede pública como nos serviços particulares no ano de 2009, ajudarão a montar um mapa da mortalidade por doenças na capital. A Pasta afirmou que o material norteará o desenvolvimento de políticas públicas específicas para cada região.

Para os especialistas, a dificuldade de acesso a exames e tratamentos, levando ao diagnóstico tardio da doença, além da falta de informação, podem justificar a mortalidade precoce em algumas regiões da cidade. Nos três locais mais críticos vivem cerca de 6 milhões de pessoas, mas não há nenhum dos 16 Centros de Alta Complexidade em Oncologia mantidos pela Secretaria de Estado da Saúde na capital. As informações são do Jornal da Tarde .

Leia mais:
Um câncer de mama diferente em cada etapa da vida
Dieta de prevenção ao câncer de mama
As cidades campeãs de câncer de mama


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.