Mulheres querem que Anvisa forneça gratuitamente novas próteses para troca por conta própria, mesmo sem rompimento

selo

Ao menos 450 mulheres que possuem silicone da marca francesa PIP querem propor um acordo à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para evitar entrar com uma ação judicial em decorrência dos problemas com as próteses – feitas com silicone industrial, não homologado nem aprovado para uso médico. Essas mulheres integram a Associação de Vítimas PIP – grupo que foi criado no dia 12 de janeiro e já recebeu cerca de 3 mil contatos de vítimas interessadas em se unir à associação.

Entenda o caso

A intenção dessas mulheres é entrar em acordo para que a Anvisa forneça gratuitamente novas próteses para que todas possam trocá-las por conta própria, mesmo aquelas que o silicone não rompeu. O SUS e os planos de saúde só vão arcar com a troca das próteses em mulheres que o silicone se rompeu e poderá causar problema de saúde.

A associação é representada pela advogada Daniela Wobeto, especialista em direito internacional. Para tentar o acordo com a Anvisa, Daniela reuniu-se ontem à tarde com representantes do Ministério Público Estadual e do Ministério Público Federal, em Porto Alegre. Cerca de 80% das mulheres cadastradas na associação são do Sul do País.

Segundo Daniela, a ideia da reunião era discutir a possibilidade de existir um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre o Ministério Público e a Anvisa para evitar o desgaste e a demora de uma ação coletiva - estima-se que uma ação desse porte demore até 10 anos para terminar. De acordo com a advogada, não há dúvidas de que a responsabilidade pela troca dessas próteses é do governo - já que foi ele que autorizou a comercialização do material fraudado no Brasil. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga lendo:
Malhação e silicone: o que pode e o que não pode
Implantes mamários não duram a vida toda, alertam especialistas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.