Imagine se você pudesse reunir em um único alimento ¿super-poderes¿ como o de acelerar o metabolismo, diminuir a TPM, prevenir o aparecimento de varizes e ajudar no crescimento do cabelo. Pois esse alimento existe: é a pimenta vermelha.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=delas%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237496352664&_c_=MiGComponente_C

Nem todo mundo é fã de pimenta. E nem precisa ser para se beneficiar das qualidades dela. Segundo a nutricionista e consultora da Nutrilite, Vanderli Marchiori, a ingestão de uma colher de sopa de pimenta por dia é suficiente. E ela pode ser misturada no arroz, no feijão ou ainda na salada.

A pimenta mais consumida no Brasil é a do tipo malagueta, aquela bem vermelha, brilhante e ardida. O que dá o ardor característico é a capsaicina, substância química que possui propriedades antiinflamatórias e antioxidantes, entre outras. A propriedade antiinflamatória ajuda a aliviar dores de cabeça e até mesmo fortes enxaquecas.

Para as mulheres, boas notícias. A pimenta ajuda a reduzir a TPM, porque tem propriedades parecidas com o estrógeno, o corpo acha que precisa de menos hormônio, e aí as mulheres sentem menos os efeitos da tensão pré-menstrual, diz Vanderli. E tudo isso sem levar em consideração que ela ajuda até mesmo a emagrecer, já que aumenta a queima de gordura. Há uma elevação da taxa metabólica em torno de 3%, afirma a nutricionista. E ajuda também no funcionamento do intestino.

O extrato de pimenta (capsaicina) encontrado em farmácias de manipulação, se misturado no xampu, estimula o crescimento dos cabelos e mata as bactérias que causam problemas no couro cabeludo.

Segundo pesquisadores, a primeira pimenta surgiu no ano sete mil antes de Cristo, na região central do México. O alimento era usado pelos índios como medicamento. Acredita-se que Cristovão Colombo, o primeiro a chegar nas Américas, teria sido o responsável por levar a pimenta vermelha à Europa. Até hoje a pimenta é um dos ingredientes principais da comida mexicana.

Mas a nutricionista alerta: "Assim como qualquer outro alimento, é preciso consumi-la com parcimônia e equilíbrio". Vale lembrar também que a pimenta não é indicada em grandes quantidades para pessoas que sofrem de gastrite ou hemorróidas. Nesse caso, o melhor é consumi-la uma vez por semana. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.