quando eles decidem ter filhos na maturidade

As mulheres possuem o dom único e exclusivo de gerar uma nova vida em seu ventre. Em contrapartida, são os homens, e só eles, que podem procriar em praticamente qualquer idade. Enquanto o relógio biológico determina um prazo máximo para o corpo feminino engravidar, visto que a quantidade de óvulos é limitada, homens podem ficar grávidos aos 20, aos 30, aos 40 e assim por diante. Trocando em miúdos, podem ser pais quando já têm idade para serem (ou já são) avôs.

Ponto pra eles: se estão em um segundo ou terceiro casamento, por exemplo, mesmo que já tenham filhos das relações anteriores, podem experimentar a paternidade com a nova companheira. Ou, se optaram por esperar ¿ seja pelo amadurecimento emocional, pela consolidação da carreira ou então por simplesmente não terem encontrado a pessoa certa para um compromisso tão profundo ¿ não correm o risco de se arrependerem no futuro por deixar em segundo plano o sonho de ser pai.

De acordo com Maria Tereza Maldonado, psicóloga clínica, membro da American Family Therapy Academy e autora do livro Cá entre nós ¿ Na intimidade das famílias (ed. Integrare), não há contra-indicações para a paternidade tardia. Vivemos em uma cultura em que a preferência de homens mais velhos é por mulheres mais jovens. Então é natural que, mesmo que já tenham tido filhos no passado, esses homens acabem se tornando pais novamente, com uma idade mais avançada, diz.

A experiência com filhos de diferentes gerações, segundo Maria Tereza, possibilita que o homem possua uma visão diferenciada e especial da paternidade. A chance de fazer uma revisão de seu papel de pai no passado permite que ele seja pai novamente de uma maneira mais intensa e plena, afirma. Ela também diz que a chegada de uma nova criança contribui, e muito, para espantar os fantasmas do envelhecimento, que tanto assombram o sexo masculino. Quando são mais velhos e experimentam a sensação de serem pais novamente, é natural que se sintam rejuvenescidos e revitalizados, acrescenta.

Já na visão da psicóloga Heloisa Garbuglio, dois fatores contribuem significativamente para que alguns homens acabem se tornando pais quando têm idade mais avançada: o aumento da expectativa de vida e a medicação contra a disfunção erétil. Os especialistas em reprodução humana prolongaram bastante a vida sexual masculina, justifica. Para ela, a paternidade tardia pode ser muito saudável porque o homem mais maduro passa a se libertar dos padrões rígidos da masculinidade, podendo dar vazão às suas emoções de outra maneira. E isso, sem dúvida, é benéfico para a criança.

No entanto, Heloisa diz que é preciso estar atento ao real motivo que leva um homem maduro, que muitas vezes já possui netos, a engravidar mais uma vez. Filho é fruto de amor, e não deve servir para que o homem de meia-idade reafirme sua virilidade perante a sociedade. Além disso, não é tendo mais um filho que ele vai poder consertar os possíveis erros que cometeu no passado, com os anteriores. Se a idéia é ter uma nova chance, o mais aconselhável é que busque recuperar a relação com os filhos que já possui, mesmo que eles já estejam adultos, justifica.

O advogado e economista Geraldo José Michelotti, de 64 anos, experimentou a paternidade em dois momentos bastante distintos de sua vida. Quando era jovem, executivo e workaholic, teve com a primeira mulher os filhos Fernanda, hoje com 37 anos, e Fernando, com 32. Depois, casou-se novamente, e hoje também é pai de Gianluca, de 8 anos, e de Luigi, de 2.

Segundo ele, que também é avô de Pedro, de 10 anos, na época em que teve os dois primeiros filhos era o primeiro a chegar na empresa em que trabalhava e o último a sair. Por isso, teve pouco tempo de curtir o crescimento dos dois, era a ex-esposa que cuidava dos pequenos. Hoje em dia, como a atual mulher, Vera, trabalha fora, é ele quem cuida de Gianluca e Luigi durante o dia, levando-os para a escola e demais atividades, como natação e inglês. Tenho aproveitado muito, pois agora assumi praticamente o papel de mãe, já que minha esposa sai cedo e só volta ao anoitecer, afirma.

Quanto à disposição física para brincadeiras, Geraldo conta que ser pai de crianças pequenas depois dos 60 só o rejuvenesceu. Sempre cuidei muito de minha forma física, e me sinto absolutamente disposto e cheio de energia. Sempre jogamos futebol juntos, comenta. O medo de envelhecer não o preocupa: às vezes confesso que paro e penso: puxa, daqui a 10 anos terei 74! Mas em seguida volto a focar no presente e esqueço o assunto. A única coisa é que, quando saio com meus filhos e meu neto vai junto, peço para ele não me chamar de avô na frente das outras pessoas. Tio é melhor, diverte-se.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.