Conheça a história da médica que teve paixão à primeira vista pelo vestido e “amor a prestações” pelo noivo

Aos 36 anos, a médica Cássia Bossi Semmelmann paquerou e se encantou. Foi paixão à primeira vista e veio a certeza de que não era preciso procurar mais. Nada iria servir de forma tão perfeita como ele. Não foi necessário um só ajuste: eles poderiam sair juntos, direto para o altar. Só faltava o noivo.

Afinal, toda a história descrita acima fala do encontro e da paixão fulminante de Cássia por um... vestido de noiva.

Cássia com o vestido, hoje, e no dia do casamento: a médica escolheu a roupa antes mesmo de escolher o noivo
Edu Cesar/Fotoarena
Cássia com o vestido, hoje, e no dia do casamento: a médica escolheu a roupa antes mesmo de escolher o noivo

No dia em que assinou o cheque para a loja da rua São Caetano, em São Paulo, conhecida como a “rua das noivas” devido às lojas especializadas, a médica nem havia recebido a proposta de matrimônio. Saía despretensiosamente com um novo namorado, conhecido há 20 dias. Porém, por ele, o amor foi construído a prestação.

Era uma vez

“Eu já tinha muitas desilusões amorosas colecionadas, anos de análise e cheguei aos 36 anos solteira, mas bem resolvida”, lembra Cássia, hoje com 52. Entre os 20 e 30 de idade, a médica perdeu as contas de quantas cerimônias e de quantos preparativos de casamentos ela participou. “Quase todas as minhas amigas já tinham passado por isso”, pontua. “Apesar de ainda ter vontade de encontrar um companheiro para toda a vida, estava tão realizada comigo mesma que tudo bem se o par perfeito não aparecesse”, pensava.

No dia 25 de janeiro de 1995, aniversário da cidade de São Paulo, Cássia recebeu um telefonema da mãe. “Ela me convidou para almoçar e insistiu tanto pela minha presença que eu não tive como negar”, diz.

Cássia vestiu o vestido surrado que tinha na gaveta, pegou dois ônibus e chegou atrasada para o encontro familiar. “Estava tudo muito estranho. Minha mãe tinha feito a minha comida preferida, estava toda maquiada”. Já com a pulga atrás da orelha, Cássia percebeu a presença de dois convidados. Uma amiga da mãe dela e o seu filho, apresentado desta forma: “olha Cassinha, este é o Wolfgang Semmelmann, filho da Dona Gertrudes. Tem 35 anos como você e é engenheiro! E assim como você também, ele está solteiro”, disseram as amigas quase em coro.

Pronto. Cássia entendeu a armação do encontro. Aquele constrangimento no ar, sobremesa e café servidos e Wolf ofereceu carona. No carro, falaram de forma direta. Ela disparou que tinha um problema no ovário e jamais poderia ter filho. Ele disse que tinha infartado aos 35 anos e não gozava de boa saúde. A conversa foi embaralhada e terminou com aquela sensação de que, talvez, não fossem repetir a dose. Ele disse que telefonaria no dia seguinte. Ela deu de ombros e nem cogitou receber a ligação.

O vestido de noiva de Cássia
Edu Cesar/Fotoarena
O vestido de noiva de Cássia
Dia divertido


Mas Wolf, como havia prometido, ligou no dia seguinte. “Saímos umas três vezes, mas os meus pés não saíram do chão. Ele era diferente. Eu me sentia segura, à vontade”, conta. Cássia não tinha frio na barriga, mas sentia “calma no coração”. Em fevereiro aceitou namorar o “filho da amiga da mãe”, mas sem planos audaciosos de envelhecer juntos.

Leia também
Noivas viajam para comprar vestidos no exterior
Vestido de noiva: comprar, alugar ou reformar?

“Algumas semanas depois que eu comecei a namorar, tive uma rara folga no hospital, mas o Wolf iria trabalhar. Tive uma ideia maluca e convidei uma das duas meninas que dividiam o apartamento para ir comigo”, lembra Cássia. “Falei para ela que nós já estávamos com 36 anos, mas nunca tínhamos provado um vestido de noiva. Só para tirar um barato, podíamos ir até a Rua São Caetano, experimentar uns modelos”.

A amiga topou. “Foi o dia mais divertido. Entramos em todas as lojas, provamos aqueles modelos bem bregas, de mangas bufantes que pareciam bolo com glacê. Era tanta risada que nenhuma atendente entendia direito os nossos propósitos”.

Até que entraram em uma loja e Cássia foi atendida por um estilista árabe que perguntou “qual é o modelo dos seus sonhos?”. Cássia fechou os olhos, descreveu, pediu cor pérola e não branca e ficou completamente apaixonada pelo croqui. A paixão foi reforçada depois da roupa trazida pelo vendedor. “A cauda do vestido não era fixa. Sem ela, virava um tubinho chique. Comprei. Estava encantada”.

O estilista disse que seriam necessárias mais algumas provas e Cássia desconversou quando ele perguntou a data do casamento. Foi para casa matutando o que faria com um vestido de noiva. Mas foi embora feliz.

Oito meses depois de ter comprado o vestido, Cássia recebeu a proposta de casamento. Os três - ela, o marido e o vestido - estão juntos até hoje
Edu Cesar/Fotoarena
Oito meses depois de ter comprado o vestido, Cássia recebeu a proposta de casamento. Os três - ela, o marido e o vestido - estão juntos até hoje
Cadê o pedido?


Os dias passaram, os meses viraram e Wolf já era o companheiro que Cássia sempre esperou. Intercalado com os jantares, viagens, discussões e planos que a médica e o engenheiro faziam juntos, o árabe da Rua São Caetano telefonava insistentemente. “Ele perguntava quando eu iria buscar o meu vestido, que já estava pronto, bordado e me esperando. E eu já não sabia qual desculpa esfarrapada usar”, diverte-se.

Em outubro, a irmã de Cássia que morava na Espanha avisou que voltaria ao Brasil. “Contei para o Wolf que faríamos um jantar de boas vindas e quase desmaiei com a sua resposta. “Por que a gente não aproveita o ensejo e fica noivo?”, sugeriu ele. “Dei um sorriso, respondi sim imediatamente. Ele já era o marido ideal”.

No dia seguinte, Cássia ligou para o estilista. “Tô indo provar o meu vestido no sábado. Vou casar em maio do ano que vem”.

Na véspera do Dia das Mães de 1996, Cássia casou com o seu “amor a prestações”, vestida com “a sua paixão à primeira vista”. “Foi uma cerimônia linda. O Wolf já era meu príncipe, só melhorou com o passar do tempo. Somos amigos, cúmplices, amantes”. O vestido deu o toque especial e, depois de dançar até as 5h da manhã daquele dia, foi para o armário, em uma espécie de santuário, feito para que nada atrapalhasse a roupa que virou testemunha daquela relação.

Leia também
Como guardar o seu vestido de noiva
>>> Guia do Casamento: ideias, dicas e soluções para a noiva planejar o grande dia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.