Mesmo com orçamento limitado, casal colocou a mão na massa e fez cerimônia e festa tradicionais e perfeitas

Em vez de curtirem a despedida de solteiro ou descansarem para o grande dia, na véspera do casamento os noivos Tainara Cruvinel e Sérgio Marques foram para o salão da sede social do Jockey Club, em São Paulo, para cuidar dos últimos detalhes da festa que aconteceria ali na manhã do dia seguinte. “Fomos arrumar as mesas, receber as flores, levar as bebidas e os doces para o local”, diz Tainara.

Noivos colocaram a mão na massa para organizar uma superfesta com véu, grinalda, bolo branco em andares e tudo como manda o figurino
Edu Federice
Noivos colocaram a mão na massa para organizar uma superfesta com véu, grinalda, bolo branco em andares e tudo como manda o figurino
Na manhã do sábado, dia 12 de abril de 2011, ao se arrumar em casa, a companhia da mãe, das irmãs e das madrinhas ajudou Tainara a se acalmar. Mesmo assim, ela continou a administrar mais alguns detalhes do casamento. “Tomei café da manhã resolvendo coisas pelo telefone, como o buquê das damas que tinha vindo errado”, conta (veja mais fotos com a história da cerimônia ao final da página) .

Enquanto isso, o noivo também “trabalhava”. Junto do pai e do irmão, Sérgio foi até a igreja para acompanhar a montagem da decoração. Somente depois de tudo encaminhado é que ele foi para casa se arrumar. “Até que eu estava bastante tranquilo. Ficamos conversando sobre vários assuntos, desde o tempo até a cerimônia que estava por vir. Foi basicamente esperar a hora passar”, conta.

Apesar da agitação da manhã, que atrasou a chegada da noiva em uma hora e meia de atraso, tudo terminou bem. Por volta do meio-dia, Tainara surgiu em um Rolls-Royce 1962 para a cerimônia religiosa, na paróquia São José, no Jardim Europa, em São Paulo. O horário foi escolhido pelos noivos para conseguir exclusividade na igreja, além de desfrutar das delícias de um casamento diurno .

Vestido de Tainara foi desenhado pelo estilista Paulo Araújo
Edu Federice
Vestido de Tainara foi desenhado pelo estilista Paulo Araújo
Véu e cauda longa

O vestido foi uma das grandes atrações. Com um véu enorme, o modelo foi assinado pelo estilista Paulo Araújo, de Brasília, que fez o vestido da jornalista Ana Paula Padrão. A renda foi comprada em um leilão na França. Joias clássicas do século 18 complementaram o look da noiva. “Como sou apaixonada por moda, até fiquei em dúvida por um modelo mais moderninho, mas acabei optando por um vestido de rainha, que um dia minhas netas possam copiar”, brinca Tainara.

Leia também: Estilistas ensinam a escolher o vestido de noiva perfeito

Decorada com flores brancas, a igreja ganhou um ar romântico e delicado, que se completou com o som de músicas clássicas instrumentais. “Quis algo bem básico, para que a igreja, que já é linda, não se desfigurasse”, diz a noiva. Na entrada das alianças, uma surpresa que fugiu do tradicional: as damas de honra foram as irmãs da noiva, já adultas. “Queria alguém muito importante na minha vida”, explica Tainara.

Apesar dos limites no orçamento, casal fez cerimônia e festa perfeitas
Edu Federice
Apesar dos limites no orçamento, casal fez cerimônia e festa perfeitas
Festa

Flores em tons de rosa, verde e vinho e porta-retratos com fotos dos noivos deram o tom na recepção para 150 convidados. O evento começou com um coquetel caprichado, com uísque, vinho e espumante, além de um almoço bem tradicional, no qual foi servido peixe, carne, massa e risoto.

Com orçamento limitado, Tainara pôde contratar a assessoria Toda de Branco apenas para o dia da cerimônia. Então, tudo foi cuidadosamente organizado por ela e Sérgio, com a ajuda de amigos e familiares. “Eu envelopei os convites e aluguei pessoalmente todas as peças da decoração da festa, como mesa do bolo, taças, essas coisas”, conta a noiva.

Tanto esforço e dedicação valeram a pena. A festa durou até a noite e saiu do jeito que os noivos sempre imaginaram: boa comida, muita música e diversão. Na entrada, os convidados eram recepcionados por um quarteto de jazz. Depois, um DJ animou a festa. “Foi um casamento totalmente mão na massa. A ideia era dar um toque pessoal, mas elegante, e fazer com que as pessoas se sentissem à vontade, num ambiente acolhedor”, define. Ao fim, abrir mão da própria despedida de solteira valeu a pena.

Veja também: o guia do casamento

Serviço:

Edu Federice Fotografia
Tel.: 11 2409-1343 / 11 7734-4083

Toda de Branco
Tel.: 11 7652-9992

Veja também: 
- Um casamento brasileiro no Japão
- Noivos de religiões diferentes conciliam cerimônia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.