O chá de panela deu lugar à despedida de solteira

Getty Images

Há noivas que tentam dar à despedida de solteira uma conotação mais inocente, escolhendo fazer um almoço com as amigas, um dia de beleza ou mesmo uma viagem só entre mulheres. Mas não é à toa que essas três palavras continuam a atrair a desconfiança de noivos, namorados e maridos em geral: Recebemos mais ou menos 15 grupos por noite, a maioria é despedida de solteira, mas também tem comemorações de aniversários, despedidas de casadas, e clientes que vêm sempre, diz Focca Barreto, um dos fundadores do Clube das Mulheres. O tradicional show de strippers masculinos fortões para uma platéia exclusivamente feminina continua a ser a principal opção para fechar a vida de solteira com uma noite de farra.

A noite no Clube começa entre amigas, com alguns drinques. Três amigas jovens e animadas bebem tequila, conversam e dão muita risada. Uma delas vai se casar em junho. O noivo e os namorados sabem onde elas estão? O que os olhos não vêem, o coração não sente, rebate rápido uma delas. Risadas gerais. A noiva explica, mais séria: Para eles, estamos em um bar, meu noivo acabou de me ligar. Mas, também, não vamos fazer nada, só viemos nos divertir, passar uma noite diferente.

Um grupo maior, em vez de pegar uma mesa, se instala em pé na frente do palco e saca as máquinas fotográficas. Entre elas, uma noiva e uma aniversariante: Sempre tivemos curiosidade de vir ver como é que era, mas não tínhamos coragem. Agora, criamos!. São todas comprometidas, mas os maridos e namorados nem sonham em saber o que elas estão fazendo. E a noiva, concordaria tranqüilamente se seu futuro marido também quisesse uma despedida de solteiro? De jeito nenhum! Nós estamos aqui só para ver homens bonitos, não vamos fazer nada! Focca conta que durante todo o espetáculo vê espectadoras saindo apressadamente da sala para atender os celulares...

Os drinques continuam fluindo, a música e a conversa aumentam de volume. Faltando mais de dez minutos para a hora do início do show, as luzes se apagam por um segundo. O artifício para atiçar a platéia funciona: gritos, assobios e aplausos femininos começam a soar imediatamente.

Durante a apresentação, os strippers do clube entram no palco vestidos de personagens como policial, peão e índio, e enquanto tiram a roupa puxam as noivas e as espectadoras mais animadas para dançar no palco. Se serve de consolo para os noivos e namorados, ninguém fica totalmente nu, todos usam sunga. Conforme as horas passam e as garrafas se esvaziam, a maioria das moças perde a inibição e sai da mesa para dançar com a música eletrônica do show ou mesmo para tomar a iniciativa de pedir para subir ao palco. As mais afoitas estendem as mãos para tocar nos rapazes, mas não há agressividade. Em apresentações menores nós podemos dar mais atenção às mulheres, e elas também se comportam melhor, conta Anderson Ventura, que faz dez shows por semana entre o Clube, boates e festas particulares. Em boates grandes é mais difícil de controlar, elas às vezes agarram, arranham, machucam mesmo. Já nas despedidas de solteira particulares onde se apresenta, ele encontra um clima totalmente light: às vezes tem até criança.

Anote:
Clube das mulheres
Rua Henrique Schaumann nº 517, tel. (11) 3061-1070
Anderson Ventura: (11) 8585-3886

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.