Essa é uma das escolhas mais importantes pois define como será a sua festa

Decidiu se casar? Dado um dos passos mais importantes da sua vida, é hora de escolher como será a comemoração. Se for fazer festa, atenção: os preparativos devem começar com, pelo menos, um ano de antecedência. Principalmente a escolha do buffet. Parece muito tempo, mas quando percebemos a quantidade de detalhes, começamos a achar que o tempo é curto. O buffet tem, principalmente, uma importância prática, pois é responsável por 60%, ou mais, das despesas do casamento.

É no buffet e no serviço que ele oferece que o seu casamento pode ser classificado como bom ou ruim. E ninguém quer dar uma festa que vai custar milhares de reais para que ela seja um fracasso. A opinião ¿ ou alerta ¿ é da jornalista Danielle Nordi, que depois de passar por vários percalços para organizar o próprio casamento, se tornou uma especialista no assunto. Ela resolveu compartilhar as próprias experiências com outras noivas à beira de um ataque de nervos, e escreveu o livro Guia do Casamento, lançamento da Matrix Editora.

Segundo Danielle Nordi, determinar o tipo de festa é uma etapa essencial. Ela enumera três fatores que devem ser levado em consideração na hora da escolha: o total de recursos financeiros disponíveis, o local e o horário da festa. Danielle explica que esses três detalhes vão definir a cara do casamento. Se você escolher se casar num local ao ar livre, pela manhã, não espere que as convidadas apareçam vestidas de longo, com brilhos...Logo, a sua festa terá uma cara mais leve e mais suave. E, claro, se o casório ocorrer à noite, a festa irá se caracterizar como uma comemoração mais glamourosa, exemplifica.

Resolvidos os três primeiros pontos fundamentais para a escolha do buffet, o próximo passo é o tipo de recepção. De acordo com especialistas e empresas que trabalham com organização de festas, para casamentos as preferidas são: Brunch ou almoço, para casórios durante o dia. O primeiro caso é indicado para eventos realizados no período da manhã, até as 11 horas. É uma união de café da manhã e almoço. Não é considerada uma recepção formal, mas fica muito agradável, principalmente se os noivos escolherem um lugar ao ar livre, para dar um ar mais bucólico, afirma Danielle.

A opção foi feita pela comerciante Marisa Carvalho, que se casou em um buffet com um belo jardim. A cerimônia religiosa foi realizada no local, às 10h. Logo depois, partimos para o brunch, que tinha vários tipos de fruta, além de café, leite, chás, frios, salmão defumado e salada verde com beringelas e queijo. De sobremesa, servimos bolo com creme de morango e tortinhas individuais além, é claro, do bem-casado. O cardápio foi elogiadíssimo!, lembra a noiva. Marisa acrescenta que o custo do brunch é menor do que um jantar ou coquetel à noite. Como é pela manhã, nos permite criar um cardápio mais leve, com frutas, chás e outros produtos mais em conta, explica.

Para casamentos entre 11h e 14h, a opção é o almoço. Neste caso, a festa fica na linha divisória entre o formal e o informal, aconselha Danielle. Ela afirma que os noivos podem dar um contorno formal optando por um cardápio mais requintado. Mas, só pelo fato do casamento ser durante o dia, já fica com uma característica mais informal.

A recepção com coquetel cai bem tanto durante o dia, quanto à noite. Pode vir antes do almoço, do jantar, ou também pode ser servido sozinho. É uma opção para quem se casa à noite, por exemplo, mas precisa controlar um pouco mais os gastos. E também para festas realizadas em lugares com pouco espaço, já que a quantidade necessária de mesas e cadeiras é menor do que num jantar, por exemplo. 

No meu casamento, optei pelo coquetel, por ser mais econômico, mas fiz questão de um cardápio completo. O carpaccio de filé com molho de alcaparras, os canapés com rúcula, tomate seco e mussarela de búfala, e o peito de peru com molho de laranja, servido como prato quente, fizeram a diferença, orgulha-se a advogada Daniela Cavancanti Machado, que se casou no começo do ano.

Por fim, quem quer uma festa de casamento mais formal tem no jantar a melhor opção. Neste caso, os noivos devem escolher o tipo de serviço que mais os agrada. Para quem não é muito fã de ficar sentado por muito tempo, gosta de circular nas festas, eu indico o serviço à americana. Trata-se de um jantar mais informal, em que a comida é posicionada em uma grande mesa e os convidados se servem da forma que preferirem.

Mas a opção clássica em casamentos é o serviço à francesa, modalidade em que os garçons servem os convidados nas mesas. É um serviço complicado quando o número de pessoas é alto. Para que o jantar seja servido corretamente e com todo o conforto, é necessária uma grande quantidade de garçons, observa a jornalista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.