Nada parece ser pesado para Dani: vocalista de heavy metal, ela já está acostumada a conviver em um ambiente masculino

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=ModeloiG%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237492846714&_c_=MiGComponente_C

Dani Nolden não se intimida facilmente. Com apenas 25 anos, a vocalista do Shadowside é um dos destaques da cena do heavy metal brasileiro e já realizou diversos shows nos Estados Unidos e na Europa.

E essa história não é nova. Nascida em Santos , Dani começou a se interessar por rock ainda pequena. Eu tinha uns 9 anos quando meu primo me mostrou bandas como Skid Row e Guns NRoses , conta. Com 15, ela formou sua primeira banda e, cerca de dois anos depois, lançou um CD demo. Tudo isso rodeada de homens: o Shadowside ainda é formado por Raphael Mattos (guitarra), Edu Simões (baixo) e Fabio Buitvidas (bateria).

Como é trabalhar e viver em um ambiente principalmente masculino?
É difícil porque é como se eu estivesse com três irmãos o tempo todo. Eles não entendem as necessidades das mulheres e nós não entendemos as necessidades deles. Não tem jeito, são dois mundos diferentes.

Como assim?
Como eu sou a única mulher, quando a gente sai em turnê eles acabam falando de coisas que interessam a eles. Mas chega uma hora que eles terminam a conversa e voltam ao normal. Com o tempo, a gente aprende a respeitar os espaços e a convivência fica bem mais fácil.

O que você faz nos dias de TPM?
Nesses dias eu me isolo porque sei que a mulher fica mais difícil de lidar. Para evitar brigas só chego perto quando sei que estou menos explosiva.


Foto: Divulgação

Como você é quando está no palco?
Eu assumo um personagem. No palco, sou uma fera, uma pessoa que tem controle da situação. Fora dele, eu sou muito tímida, sempre fui.

Você se considera vaidosa?
Sou bem vaidosa, mas com limites. Gosto de saber o que está acontecendo, de ver o que tem de novo, mas não fico obcecada. Acho importante estar com boa aparência por causa do trabalho, mas eu sei que a beleza um dia vai acabar...

Como você escolhe suas roupas?
No palco, gosto de me vestir com um estilo bem heavy metal misturado com o glam dos anos 80. Por isso, escolho coisas que chamam atenção. Mas no dia-a-dia, visto coisas menos chamativas, mas é impossível usar uma roupinha comum.

E a maquiagem? É você mesma quem faz?
Nos shows, uso uma maquiagem mais carregada, com o olho bem preto. Eu mesma que faço, aprendi na raça. Já fiz muita bobagem e terminei com a maquiagem feia. Aí, fui pedindo dicas para alguns maquiadores e, ano passado, consegui me acertar.

Seu cabelo dá muito trabalho?
Sou muito chata com o meu cabelo. Passo creme sempre, cuido o tempo inteiro. Agora, estou com a cor natural, mas já tingi muito. Já tive cabelo vermelho, laranja, roxo com preto, azul com rosa...

Leia também: Mulheres na pista: como é a vida das caminhoneiras

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.