Mesmo presentes em todas as áreas de atuação, as mulheres ainda não são remuneradas como os homens. Por quê?

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=ModeloiG%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237492854149&_c_=MiGComponente_C

Um estudo realizado recentemente pela Confederação Sindical Nacional mostrou que, dos vinte países pesquisados, o Brasil é o que apresenta a maior diferença salarial entre os sexos . Por aqui, as mulheres recebem em média 34% menos que os homens que desempenham a mesma função, enquanto a média dos outros países é de 22%.

Especialistas em recursos humanos, no entanto, garantem que tal discrepância não é resultado do preconceito dos empregadores. A desigualdade salarial está ligada à diferença regional e à diferença de papéis que homens e mulheres exercem na sociedade, afirma Adriano Meirinho, diretor de marketing da Catho Online.

Meirinho enumera uma série de fatores que contribuem para que as mulheres fiquem atrás na corrida salarial . As maiores porcentagens de ocupação feminina estão em níveis hierárquicos mais baixos que os homens. Além disso, a maioria das mulheres está empregada em segmentos com média salarial mais baixa e em empresas de pequeno porte, com menores rendimentos.

Menos tempo, mais tarefas

Meirinho ainda destaca outros elementos que prejudicam a visibilidade profissional  das mulheres e, por consequência, seus salários. Os homens, em geral, têm mais empregos ao longo da carreira e trabalham mais horas, especialmente porque as mulheres têm de cumprir jornada dupla : após a empresa, exercem diversas atividades em casa.

Apesar de não chamar de preconceito, Fernando Mantovani, diretor da empresa de recrutamento Robert Half, reconhece que a disponibilidade também pesa contra na hora da escolha de um candidato. As empresas têm mais receio em contratar uma mulher com filhos pequenos do que um homem, exemplifica.

Qualidades únicas

Se a falta de disponibilidade prejudica, existem algumas características das mulheres que encantam os empregadores. Elas normalmente são mais sensíveis e têm melhor capacidade de ouvir, o que as ajuda na hora de gerenciar conflitos , acredita Mantovani.

As mulheres buscam equilibrar a relação profissional com a pessoal, conquistando o comprometimento da equipe, colocando mais organização na execução de tarefas e tendo mais paciência para o trabalho como um todo, concorda Adriano Meirinho, da Catho.

E qual a melhor forma de conquistar a vaga dos seus sonhos ? Fernando Mantovani dá a dica: a mulher tem que usar de forma natural o que é seu, evitando ser masculina. Hoje, as empresas buscam mais diversidade de perfis que se complementem."

Leia também: Por que as mulheres não participam da política?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.