Apesar de ter seus direitos garantidos em boa parte do mundo, as mulheres ainda não são ouvidas do mesmo jeito que os homens

No último domingo (22), religiosos da Arábia Saudita se pronunciaram contra a participação das mulheres nos meios de comunicação. A vontade de proibi-las de aparecer na televisão, nos jornais e nas revistas deixa clara a postura destes líderes muçulmanos em manter as mulheres ainda mais afastadas da realidade do país.

Na mesma semana, em sua viagem à África, o papa Bento XVI incentivou a participação das africanas na sociedade. O discurso do pontífice em defesa da igualdade, no entanto, foi criticado pelas próprias católicas, que apontaram a Igreja Católica como uma instituição comandada somente por homens.

Hoje, em grande parte do mundo, as mulheres têm seus direitos básicos garantidos: elas podem votar, estudar, trabalhar... Mas, na prática, elas não aparecem como atuantes mesmo nos países considerados " desenvolvidos ". Não porque são proibidas, mas porque ainda não são vistas pela sociedade com a mesma importância que os homens.

A opinião que não é ouvida

Se uma marciano chegasse à Terra hoje e quisesse conhecer o planeta por meio dos jornais e revistas, ele teria uma visão bem diferente da realidade , exemplifica a psicóloga Rachel Moreno. Para ela, as mulheres aparecem na mídia como acessórios e não como personagens que contribuem para a mudança do mundo.

Pode reparar: quando o jornal traz a opinião de um especialista, na maior parte das vezes apresenta o que um homem tem a dizer, continua. Com isso, a imagem geral que se têm é que existem muito mais homens atuantes do que mulheres. Na realidade, o cenário é diferente . No Brasil, por exemplo, nós temos em média 4 anos a mais de estudo que eles, completa Rachel.

No fim das contas, a culpa é de quem? Deles, que não abrem espaço para as mulheres ou delas, que não exigem seu espaço? É um círculo vicioso : a mídia procura mais os homens. Com isso, eles aparecem mais e deixam as mulheres cada vez mais de lado, finaliza a psicóloga.

Leia também: O que a mulher brasileira quer?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.