Estudo britânico mostra que marcas ainda não estabelecidas no mercado da moda poderiam se beneficiar com o uso de modelos de tamanho médio nas campanhas de marketing

Uma pesquisa da Universidade de Kent, na Inglaterra, sugere que a indústria da moda pode lucrar mais se usar modelos de tamanho médio em campanhas de marketing. O estudo, conduzido por Xuemei Bian, avaliou o impacto nas vendas dos produtos quando as marcas usavam modelos muito magras e outras de tamanho considerado médio.

A metodologia, que incluía o uso de marcas reais e fictícias, consistia em pedir que mulheres de 18 a 25 anos indicassem qual tamanho da modelo preferiam.

Brian e sua equipe descobriram que para as marcas já estabelecidas era indiferente o tamanho da modelo. Já para as marcas fictícias, sem histórico no mercado, as mulheres indicaram que as modelos de tamanho médio seriam melhores do que as mais magras para alavancar as vendas.

“A utilização de modelos muito magras na indústria da moda é controversa. Nosso estudo mostra que as marcas não devem temer usar modelos de tamanho médio em suas campanhas, e poderiam até descobrir que podem vender mais dessa forma”, afirmou Xuemei Bian em comunicado.

É importante ressaltar que a autoestima das participantes foi levada em consideração na pesquisa. De acordo com o estudo, as mulheres que se consideravam com baixa autoestima tenderam a escolher modelos maiores.

>> MAIS: Conheça Tess Holliday, a modelo tamanho 54 que quer derrubar padrões de beleza


Leia mais:
Blogueira plus size prova que manequim 50 combina com estampas e barriga de fora
Fluvia Lacerda, top plus size: “Toda mulher deve ser melhor amiga da costureira”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.