Estilista influenciou guarda-roupas de socialites e estrelas de Hollywood por mais de quatro décadas

AP

Os anos 1960 e o início dos 1970 foram decisivos na moda dos Estados Unidos à medida que estilistas de Nova York finalmente tiveram seus trabalhos levados tão a sério quando os de profissionais europeus. De la Renta e seus pares, incluindo o falecido Bill Blass, Roy Halston e Geoffrey Beene, definiram o estilo americano - e sua influência é vista ainda hoje.

Estilista Oscar de la Renta influenciou o guarda-roupa de grandes personalidades por décadas
Reuters
Estilista Oscar de la Renta influenciou o guarda-roupa de grandes personalidades por décadas

A especialidade do estilista, que morreu aos 82 anos na segunda-feira (20), eram vestidos de gala, embora ele também fosse conhecido por terninhos elegantes para o dia, favorecidos pelas mulheres que se reuniam no Four Seasons ou Le Cirque na hora do almoço. Suas criações mais características foram saias volumosas, bordados requintados e cores ricas.

A primeira-dama Laura Bush usava um vestido azul de la Renta para o baile inaugural de 2005 e Hillary Clinton optou por um ouro de la Renta no baile de 1997. No tapete vermelho do Oscar, Penelope Cruz e Sandra Bullock estavam entre as celebridades que vestiam seus vestidos femininos e opulentos. Suas roupas ainda faziam parte de episódios de "Sex and the City" com a personagem Carrie Bradshw, ícone de estilo, recitando seu nome - e comparando seus projetos a poesia. Veja a seguir alguns dos vestidos desenhados por ele:

O caminho do estilista para a Sétima Avenida de Nova York teve uma rota improvável: deixou sua terra natal, a República Dominicana, aos 18 anos para estudar pintura na Espanha, mas logo se sentiu atraído por moda. A esposa do embaixador dos EUA na Espanha viu alguns de seus esboços e pediu que ele fizesse um vestido para a filha – traje que chegou à capa da revista Life.

Leia também: 70 vestidos de noiva das passarelas internacionais

Isso o levou a um estágio com Cristobal Balenciaga. Depois, de la Renta se mudou para a França para trabalhar na casa de alta costura Lanvin. Em 1963, ele estava trabalhando para Elizabeth Arden em Nova York e em 1965 lançou sua própria marca.

Ele disse à AP em 2004 que suas raízes hispânicas influenciaram seus desenhos.

"Eu gosto de luz, cor, luminosidade. Gosto de coisas cheias de cor e vibrante", disse ele.

Oscar De La Renta apresenta sua coleção Outono/Inverno 2013 na Semana de Moda de Nova York
Reuters
Oscar De La Renta apresenta sua coleção Outono/Inverno 2013 na Semana de Moda de Nova York

Roupa e perfume

De la Renta fez de Manhattan sua principal casa, mas visitou a República Dominicana muitas vezes e manteve residência por lá. A editora-chefe da Vogue Anna Wintour era uma visitante frequente e disse que viajar com o estilista era como viajar com um presidente.

"Ele é um superstar", disse ela.

Ele também tinha uma casa de campo no noroeste de Connecticut. Jardinagem e dança estavam entre suas diversões favoritas.

"Sou uma pessoa muito inquieta. Estou sempre fazendo alguma coisa. O processo criativo não para nunca", disse de la Renta.

Como estilista, de la Renta sempre privilegiava seus amigos socialites e vizinhos, mas o estilista fez esforços ocasionais para atingir as massas, incluindo o lançamento de uma linha de roupas com preço reduzido em 2004 e de cerca de uma dúzia de perfumes. O primeiro, chamado Oscar, foi lançado em 1977 e, mais recentemente, Rosamor chegou ao mercado.

Veja ainda:
Sete regras das primeiras-damas americanas para se vestir bem sem gastar muito
Famosas aderem à tendência sexy do paletó sem nada por baixo

Ele era um ávido patrono das artes, servindo como membro do conselho do Metropolitan Opera e do Carnegie Hall, entre outros. Dedicou um tempo considerável a instituições de caridade para crianças. Também ajudou financeiramente escolas e creches em La Romana e Punta Cana, em seu país natal.

Oscar de la Renta recebeu diversas homenagens na República Dominicana e nos Estados Unidos ao longo de sua vida. Nos EUA, foi nomeado designer de moda feminina do ano pelo Conselho de Estilistas de Moda da América em 2000, e também recebeu um prêmio do CFDA - uma organização na qual foi presidente na década de 1980.

De la Renta e a amiga Anna Wintour, editora-chefe da Vogue
Reuters
De la Renta e a amiga Anna Wintour, editora-chefe da Vogue

Além de sua própria marca, de la Renta liderou a maison Pierre Balmain de 1993 a 2002, marcando a primeira vez que um americano criava para uma casa de alta costura francesa. Foi condecorado também na França com a French Legion d'Honneur as a Commandeur. De la Renta recebeu o Prêmio Medalha de Ouro do rei e da rainha da Espanha.

De la Renta desistiu do título de presidente-executivo de sua empresa em 2004, entregando o comando para a enteada Eliza Bolen Reed e seu marido, Alex Bolen. Mas permaneceu ativo e continuou mostrando suas coleções durante a Semana de Moda de Nova York.

De la Renta também deixa um filho adotivo, Moises, estilista na sua empresa. A primeira esposa do estilista, a editora da Vogue francesa Françoise de Langlade, morreu em 1983.

LEIA AQUI TODAS AS NOTÍCIAS DE MODA

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.