Grife francesa apresenta mobiliário em couro e madeira que surpreende pela elegância e perfeição no acabamento

Quase 90 anos após lançar sua, até então, única linha de móveis, a grife Hermès lançou durante a abertura da semana de design de Milão, sua mais nova coleção para a casa. Em uma estrutura toda feita em papel, assinada por Shigeru Ban, - o que reforçava ainda mais a ideia de artesania, perfeição e delicadeza dos produtos – foram apresentados sofás, poltronas, mesas, cama e cadeiras que traduzem em couro e madeira toda a tradição, qualidade e elegância da maison francesa.

Poltrona Confortable, criada por Jean-Michel Frank na década de 20, revestida em pele de ovelha
Divulgação
Poltrona Confortable, criada por Jean-Michel Frank na década de 20, revestida em pele de ovelha


Leia também: Clássicos de Milão bem perto de você

Para fazer um link entre passado e presente, provando que os traços que resumem a marca são atemporais, a casa reedita a primeira coleção, criada por Jean-Michel Frank, entre 1920 e 1930. Com destaque para os biombos e mesas de apoio em machetaria e a clássica poltrona Confortable, que chega em couro, tecido ou toda recoberta em pele de ovelha.

Os designers Enzo Mari, Antonio Citterio e Denis Montel e Éric Benqué, do estúdio RDAI, também foram chamados para compor o catálogo. “Os móveis que criamos não são peças para se desfazer, mas são novas relíquias para o futuro do século 21”, afirma Citterio, que após passar dois dias no “conservatório” da Hermès, inspirou-se em uma sela para criar a linha Matières.



Caracterizada pelo 'x' que sustenta o mobiliário hípico – vale lembrar que inicialmente a marca produzia equipamentos para montaria – a coleção combina couro, madeira e inox em peças com acabamento perfeito. “O detalhe é que para a Hermès, um couro não é apenas um couro. Foi preciso um dia inteiro na fábrica para decidir qual tipo de couro usaríamos dentre uma centena de possibilidades”, conta o designer.

Outro ponto alto do lançamento é a cadeira Sellier, peça de assinatura da coleção, criada pelo estúdio RDAI. “Antes de pegar o lápis para desenhar, discutimos muito sobre o que queríamos e precisaríamos ter nessa peça”, afirma Benqué.

O briefing recebido era claro, criar uma cadeira que condensasse todo espírito da marca. O resultado foi uma peça com linhas simples e contínuas, revestida com uma capa de couro removível que se molda perfeitamente.

“Foi um trabalho em conjunto muito árduo e cuidadoso”, diz Montel. “Mas acho que chegamos ao que queríamos, que as pessoas possam ver os móveis e ter a sensação de que sempre estiveram lá”, completa Benqué. Certamente, a tarefa foi cumprida com louvor.

Ainda: Design brasileiro marca presença em Milão

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.