Não parece, mas fazer um bolo, ir ao supermercado e até mesmo arrumar os armários são boas atividades para incluir a criança

Assar um bolo ou passear pelo bairro: momentos de convivência que custam pouco
Getty Images
Assar um bolo ou passear pelo bairro: momentos de convivência que custam pouco

Se você trabalha, sabe bem que o final de semana acaba se tornando um momento para fazer compras, arrumações e outras tarefas que ficam pendentes por falta de tempo durante a semana. Se você tem filhos, também sabe bem que o sábado e o domingo devem ser momentos para levá-los a lugares diferentes e se divertir com eles. Agora, se você trabalha e tem filhos, sabe bem que pode equilibrar esses dois pontos. Ou será que não sabe?

Nova terapia cria "super-pais" e melhora condição de crianças autistas

De acordo com Gisela Wajskop, professora e diretora do Instituto Singularidades, especializado em Pedagogia, hoje em dia muitos pais não aproveitam de fato o tempo com seus filhos, apesar de prepararem para eles enormes agendas de atividades no final de semana. “Não adianta fazer uma agenda cultural extensa para seus filhos, e levar a babá a tiracolo”, afirma.

“Os pais precisam reservar um tempo afetivo para seus filhos”, recomenda Gisela. Ela explica que situações como fazer um bolo na companhia dos filhos, ou até mesmo ir ao supermercado com eles pode ser mais formativo pra criança que os levar para o teatro ou o cinema.

Segundo Roberta Palermo, terapeuta familiar e autora do livro “Babá/Mãe - Manual de Instruções” (Mescla Editorial), muitos pais delegam cuidados simples de seus filhos para outras pessoas, e isso faz falta para as crianças. Roberta diz que as atividades de casa podem ser muito interessantes para as crianças, mas muitos pais não as incluem pois “acham que a criança vai atrapalhar ou se entediar com as tarefas de casa”.

Apesar de considerar atividades como levar os filhos ao cinema, museus e teatro como algo importante, as especialistas explicam que atividades do cotidiano podem ser igualmente formativas (e tão divertidas quanto) para as crianças. Na opinião de Roberta, uma agenda repleta de atividades pode inclusive deixar a criança mais ansiosa. No final das contas, o importante é o vínculo que se cria entre pais e filhos. E esse vínculo, explicam elas, está mais ligado com a qualidade do tempo passado entre ambos.

7 atividades diferentes para fazer com seu filho gastando pouco (ou nenhum) dinheiro

1. Fazer um bolo

Peça ajuda para a criança na hora de misturar os ingredientes – ou, se ela for mais crescidinha, para colocar no forno. Gisela Wajskop explica que é uma maneira de ensinar as crianças a cozinhar. “Era assim que acontecia antigamente, a gente aprendia a cozinhar olhando nossas mães”, diz.

2. Fazer compras

"É bom levar a criança ver o quanto custa um caderno que ela quer. Ou fazer compras de roupas juntos”, diz Gisela. Ela ressalta que é imprescindível que este seja um momento entre os pais e os filhos, e que haja bastante conversa entre eles.

3. Arrumar os armários de casa

Tire todas as coisas do armário – seja o de brinquedos, do banheiro, de roupas ou de suprimentos – e pedir que a criança ajude na hora da arrumação. Roberta Palermo aconselha que a arrumação seja em armários que tenham objetos relacionados à criança, porque os pequenos tendem a perder a concentração rápido. “Mesmo que ela perca a concentração, já vale o tempo que ela passou nessa atividade”, diz.

4. Andar a pé pelo bairro

Um passeio a pé calmo e longo pelo bairro, com uma possível parada em uma padaria para um picolé, pode ser bastante divertido para a criança. “São coisas que não fazemos no nosso dia a dia”, diz Roberta. Além disso, este passeio pode fazer com que seu filho aprenda sobre o bairro em que mora.

Um simples passeio pode ser uma diversão para os pequenos
Arquivo
Um simples passeio pode ser uma diversão para os pequenos


5. Ir ao supermercado ou à feira

Levar os filhos ao supermercado e à feira pode ser interessante para os pequenos. Para mantê-los interessados, Gisela indica que as mães façam acordos prévios: “Fale para a criança: você tem direito a uma ‘besteira’”. Aproveite também para descobrir do que a criança gosta e apresentá-la aos alimentos em sua forma natural. “Muitas crianças não conhecem um brócolis inteiro”, brinca Roberta, ao explicar como um passeio na feira pode ser bom para eles.

6. Ir à banca de jornal

“O cotidiano é a vida das pessoas. Se a gente puder partilhar isso, conseguimos partilhar qualquer outra coisa, como um espetáculo de dança ou um museu”, afirma Gisela. Portanto, que tal levar as crianças a uma banca de jornal? De acordo com Roberta, na banca a criança pode escolher os livrinhos de atividade que prefere e voltar para casa com os pais para brincar com o que comprou.

7. “O dia do pijama”

Roberta Palermo, mãe de um menino de 8 anos, diz que costuma decretar o “dia do pijama” em algum dia do final de semana. Ela explica que é um dia em que todo mundo deve ficar em casa e apenas de pijama. “É o dia em que todo mundo passa na minha cama”, diz a terapeuta.