Como elas reagem quando os filhos pré-adolescentes começam a pensar em namoro e meninas

Os pré-adolescentes, principalmente os meninos, não costumam perceber a aflição de suas mães quando eles começam a dar os primeiros sinais de que querem namorar. Imaginar-se no papel de sogra pela primeira vez não é uma tarefa fácil. De acordo com a psicóloga Denise Pará Diniz, Coordenadora do Setor de Gerenciamento de Estresse e Qualidade de Vida da Unifesp, as mães que veem seu filho apaixonado por uma menina podem experimentar uma sensação incômoda. “Elas começam a perceber que o filho não é mais aquele bebezinho dependente da mãe, que possui desejos e necessidades próprias e que irá atrás do que quer”, afirma.

Gabriela e Luan: ela está se preparando para virar sogra pela primeira vez
Arquivo pessoal
Gabriela e Luan: ela está se preparando para virar sogra pela primeira vez
É o caso da administradora de empresas Gabriela Kumai Mattedi, de 29 anos, que sentiu recentemente o que terá que encarar pela frente. Mãe de Luan, 11 anos, ela afirma que sempre se preparou psicologicamente para quando chegasse a hora de virar sogra. Mas comenta que agora que o momento está prestes a acontecer, está achando esquisito: “Não é só mais uma teoria, é de verdade. Ele está olhando para as meninas, está se interessando”, diz.

Para a produtora Jéssica Sautchuk, 39 anos, sua maior preocupação é manter um canal de comunicação aberto com o filho Richard, de 11 anos. “Ele me disse que está namorando com a melhor amiga e, por mais que eu ache muito cedo ou sinta um pouco de ciúmes, tenho que deixá-lo à vontade. Não quero que ele perca a confiança em mim e não me conte mais nada. Minha maior preocupação é saber o que está acontecendo e poder pontuar sobre o assunto”, diz.

Jéssica e Richard: ele está namorando e ela quer manter um canal de comunicação aberto
Arquivo pessoal
Jéssica e Richard: ele está namorando e ela quer manter um canal de comunicação aberto
Além do ciúme normal, muitas mulheres sentem angústia por perceberem que estão envelhecendo. Gabriela, por exemplo, acha bem complicado se o filho arrumar uma namorada logo.“ Daqui a pouco vou começar a mentir a idade dele”, brinca. Mas não é só isso que a atormenta: “Logo terá uma pessoa nova frequentando a minha casa e não sei se eu terei paciência se me chamarem de tia”, completa.

Segundo a personal trainer Silmara Gomes Izidoro, de 35 anos, a primeira vez em que ela ouviu o filho Matheus – hoje com 14 anos - falar de uma menina, sentiu que deveria repensar o jeito com que lidava com ele. "Comecei a perceber que havia passado o tempo de pegar no colo, dar beijinhos. Dali para frente, a opinião dos amigos e das meninas passariam a ser mais importantes”, diz. “E você acaba se tornando uma figura mais secundária”, completa.

Silmara conta que, por volta dos 14 anos, os meninos só falam sobre garotas. A primeira providência que ela tomou foi explicar direitinho para o filho como as relações funcionam, e não sentiu a menor ponta de ciúmes do aparecimento de uma nora. “Acho até legal ele estar com uma menina de quem goste. Se está fazendo bem para ele, está tudo certo”, explica. Mas conta que o aconselha da melhor maneira que pode, principalmente em relação à parte sexual: “Pior do que ser sogra é virar  vovó!”, diz.

Silmara e Matheus: ela está encarando numa boa o papel de sogra
Arquivo pessoal
Silmara e Matheus: ela está encarando numa boa o papel de sogra
De acordo com a psicóloga Denise, o papel de sogra já adquiriu um valor cultural e, na maioria das vezes, as pessoas a imaginam como uma pessoa chata, que não quer perder o filho ou a filha para a nora ou o genro. “Então, quando uma mulher pensa ‘nossa, meu filho está namorando e eu serei sogra’, a primeira coisa é achar que está se tornando essa sogra megera que todos imaginam”, explica Denise.

A psicóloga e psicopedagoga Elizabeth Monteiro comenta também que muitas mães costumam achar que têm um poder que não possuem, e aí que mora o perigo. “A mulher precisa compreender que, à medida que os filhos crescem, eles vão sendo mais do mundo do que delas”, afirma. E aconselha as sogras de primeira viagem: “Tenha o novo casal por perto, mesmo que não goste muito. Afinal, todo romance proibido vira paixão, e o casal adolescente vai fazer exatamente tudo o que a mãe proibir”.

8 dicas para encarar bem o papel de sogra pela primeira vez:

- Não dê palpite sobre a relação se você não for chamada. Eles precisam de espaço para aprender a lidar com os problemas e divergência

- Explique as regras da casa. Se não gosta que fiquem de porta trancada no quarto, deixe isso claro logo no início do namoro

- Procure saber sempre o paradeiro deles e a que horas voltam para casa

- Deixe o seu filho ou filha ficar na sua casa com o namorado ou a namorada. Mantê-los distantes pode ser ruim e afastar você do que está acontecendo

- Não fique perguntando detalhes íntimos da relação do seu filho. Ele vai te contar o que sentir vontade – e não precisa ser tudo

- Procure manter uma boa relação com os pais da namorada do seu filho. Isso faz com que você crie uma parceria boa e fique sabendo o que está acontecendo

- Tente ser gentil com a namorada do seu filho (ou o namorado da sua filha), mesmo que você não morra de amores por ela. Isso demonstra respeito e inspira confiança

- Facilite a vida do seu filho: procure dar carona ou arrumar um jeito de ajudá-lo e encontrar a namorada

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.