Tamanho do texto

Em entrevista, autora de livro sobre os conflitos conjugais na perspectiva das crianças fala sobre os impactos da separação

Na opinião de Maria Dolores, os pais precisam separar a parentalidade de conjugalidade
Getty Images
Na opinião de Maria Dolores, os pais precisam separar a parentalidade de conjugalidade
Maria Dolores Cunha Toloi é psicóloga, especialista em Psicologia Clínica e Jurídica com mestrado pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, e doutorado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. No mês passado, ela lançou "Sob Fogo Cruzado" (Editora Ágora) - um estudo sobre o impacto dos conflitos conjugais e das separações pela perspectiva dos filhos. Conversamos com a psicóloga para saber o que os pais devem evitar e como devem agir para tornar uma separação o menos problemática possível.

iG: O que coloca os adolescentes e as crianças 'sob fogo cruzado'?
Maria Dolores Cunha Toloi: O nível de conflito entre os pais. O que fragiliza um filho são os pais brigando, porque a segurança emocional das crianças está depositada nas figuras parentais. Quando essas figuras entram em discórdia e começam a brigar, a criança começa a ficar insegura e impotente sobre como se resguardar emocionalmente.

iG: E como evitar que isso aconteça?
Maria Dolores: Se os pais têm melhor comunicação e mais flexibilidade, resolvem os conflitos e afetam menos a criança. Conflitos são normais. Temos conflito entre nações, entre pessoas, em relacionamentos... o problema é como as pessoas os resolvem.

iG: Qual é, na sua opinião e experiência, o pior problema para os filhos dos casais que se separam?
Maria Dolores: A perpetuação do conflito e o uso dos filhos como "pombos correios". O casal precisa avaliar o quanto separa a conjugalidade da parentalidade. Ao separar-se, eles deixam de ser marido e mulher, mas continuam sendo pais daquela criança. Geralmente, leva 2 a 4 anos para os pais se adaptarem a essa nova situação. Esse é o período de maior probabilidade de brigas - e também é a fase em que a criança mais precisa dos pais. É uma fase de risco. Muitos pais dizem estar brigando pelo interesse dos filhos, mas o motivo número um das brigas depois da separação é o dinheiro. O tema número dois é a criação dos filhos.

Para Maria Dolores Cunha Toloi, os pais devem separar a conjugalidade da parentalidade
Divulgação
Para Maria Dolores Cunha Toloi, os pais devem separar a conjugalidade da parentalidade
iG: Como estes pais podem alinhar o discurso e a ação, fazendo o melhor para os filhos depois de uma separação?
Maria Dolores: Na verdade, os pais devem se perguntar, desde que o filho nasce, como eles encaram essa criança: como uma posse ou como um ser que foi colocado no mundo pelos dois, pelo qual ambos querem fazer o melhor? Utilizar a criança como "pombo correio", para mandar recados ou manipular o outro, é só a ponta do iceberg. Significa que, por baixo, antes da separação, já existe toda uma história de desequilíbrio familiar.

iG: Uma das consequências mais comuns de uma separação é o sentimento de culpa das crianças. Como perceber o quanto seu filho foi afetado e deixar claro que a culpa do fim do relacionamento dos pais não é dele?
Maria Dolores: As crianças afetadas pela separação reagem, de forma geral, apresentando os mesmos sintomas de quaisquer problemas psicológicos. A autoestima fica baixa, eles passam a estar mais isolados socialmente, às vezes aparece agressividade, cai o rendimento escolar... São sintomas clássicos de que a criança precisa de ajuda. Aliás, não só a criança, como toda a família. Sobre a culpa, os pais precisam ser claros. Falar, diretamente, para a criança: "papai e mamãe vão se separar, isso é um problema nosso, não tem a ver com você". E orientá-la, caso ela venha com recado do outro: "isso não é uma coisa de criança, quem tem que falar comigo é o papai ou a mamãe".

iG: Qual seu principal conselho para os pais que se separam?
Maria Dolores: Que aprendam a a separar a conjugalidade da parentalidade o quanto antes. E que procurem ajuda, como aconselhamento psicológico ou mediação.

iG: E para os filhos?
Maria Dolores: Toquem sua vida e sejam felizes! Vocês não podem fazer nada sobre os problemas dos seus pais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.