Pesquisadores observaram 200 remédios disponíveis no mercado norte-americano. 52 não vinham com medidores

Unidades de medida pouco comuns e falta de medidores põem em risco a dosagem correta
Getty Images
Unidades de medida pouco comuns e falta de medidores põem em risco a dosagem correta
Dar a dose correta de remédio pediátrico sem receita é essencial, mas o rótulo da embalagem e a informação de dosagem podem ser praticamente incompreensíveis. E uma superdosagem pode ser fatal.

Até novembro de 2009, pesquisadores norte-americanos examinaram as orientações e dispositivos de medição em 200 remédios pediátricos líquidos sem necessidade de prescrição – drogas para alergia, tosse e resfriado, dor ou problemas gastrointestinais.

Em artigo publicado online no “The Journal of the American Medical Association”, os pesquisadores reportaram que 52 dos remédios não vinham com dispositivos de medição na embalagem. Dos outros 148, 146 tinham inconsistência entre as instruções de dosagem e os dispositivos, incluindo marcações excessivas ou ausentes, unidades de medida pouco familiares (como, por exemplo, dracma ou centímetros cúbicos), ou abreviações indefinidas ou fora do padrão.

Em novembro de 2009, a Food and Drug Administration publicou diretrizes voluntárias para os rótulos de instruções de dosagem e dispositivos de medição para remédios líquidos sem receita. “O plano é ver mudanças nos próximos meses”, disse a médica H. Shonna Yin, principal autora. Mas Yin, professora assistente de pediatria da New York University, não para por aí. “Quando fizermos o estudo novamente”, ela disse, “veremos se as diretrizes voluntárias funcionam, ou se precisamos de algo mais forte”.

Nesse meio tempo, os pais devem prestar muita atenção nas instruções da embalagem e no rótulo dos dispositivos de medição. “Uma colher de sopa é três vezes maior que uma colher de chá”, ela alertou.

(Tradução: Gabriela d’Ávila )

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.