Apesar dos avanços médicos, dilemas pessoais pontuam a busca dos casais inférteis, como Paulo e Esther de “Fina Estampa”, por um filho

Dan Stulbach e Julia Lemmertz nos papéis de Paulo e Esther: sonho ameaçado pelas pressões da fertilização com o esperma de outro homem
João Miguel Júnior/TV Globo
Dan Stulbach e Julia Lemmertz nos papéis de Paulo e Esther: sonho ameaçado pelas pressões da fertilização com o esperma de outro homem
Em “Fina Estampa”, novela das nove da Rede Globo, o casal interpretado por Dan Stulbach e Julia Lemmertz enfrenta uma questão delicada: enquanto ele é estéril, a esposa quer muito ser mãe. Eles precisariam não só de uma mãozinha das técnicas de reprodução assistida, mas também de uma visita a um banco de esperma. Embora este tipo de atitude seja mais comum do que se imagina atualmente, nem sempre é fácil levá-la adiante. Que o digam Paulo e Esther, personagens de Dan Stulbach e Julia Lemmertz.

Leia também
Guia da fertilidade
Relógio biológico da gravidez

Embora hoje a medicina permita gerar uma criança a partir de um óvulo que não é da mãe e do sêmen que não é do pai, descobrir-se infértil pode ser um baque para qualquer um. Para a psicóloga perinatal Rafaela Schiavo, da Unesp de Bauru, no interior de São Paulo, a cobrança social para um casal ter filhos ainda é muito forte. Quando vem à tona a impossibilidade de se tornar pais naturalmente, é muito difícil aceitá-la. “Esta dificuldade pode até levar à depressão. Muitas vezes o casal se sente incompetente por não conseguir engravidar da forma natural”.

Na vida real, para Laís* e Jorge* , de 39 e 43 anos, o banco de esperma será pela segunda vez um dos aliados para a realização do sonho da paternidade. Dois anos atrás o casal estava decidido a ter um filho, mas descobriu que Jorge era estéril – assim como o personagem de Dan Stulbach na novela. Decidiram-se pela adoção, mas desanimaram diante da burocracia. Foi quando uma amiga de Jorge falou sobre o tratamento de reprodução assistida que estava fazendo e o casal descobriu que o próprio sonho ainda poderia ser realizado: a fertilização in vitro, chamada de FIV pelas mulheres que tentam, não era tão cara quanto eles imaginavam.

Laís prefere manter o anonimato, pois teme julgamentos:
Alexandre Carvalho/ Fotoarena
Laís prefere manter o anonimato, pois teme julgamentos: "o filho vai ser nosso e ninguém precisa saber"
Depois da primeira consulta, Laís e Jorge conversaram e logo decidiram, juntos, seguir por este caminho. Ser pai de um filho gerado a partir do código genético de outra pessoa não incomoda Jorge. Para ele, desde o começo sempre ficou muito claro: “O bebê vai nascer dela, mas vai ser meu também. O pai não é necessariamente quem faz, mas sim quem cria”. Na listagem dos doadores de sêmen, o casal escolheu alguém com características mais próximas às de Jorge. E partiu para a reta final da fertilização.

Ele diz tirar de letra o dilema dos homens inférteis que tanto atormenta Paulo, o personagem de “Fina Estampa”. Mas, de acordo com o filósofo e psicanalista Arthur Meucci, autor de “A Vida que Vale a Pena Ser Vivida” (Editora Vozes), a infertilidade masculina nem sempre é vista com tranquilidade. “Dar um filho para uma mulher é visto como sinal de virilidade”, diz. O homem, portanto, pode se sentir diminuído e esta sensação se reflete no relacionamento. “Quanto mais o problema for ignorado, pior. O homem pode ficar com a autoestima lá embaixo e sentir ciúmes da mulher, já que se vê como incapaz”, afirma.

A psicóloga perinatal Rafaela Schiavo concorda: a relação da infertilidade com a virilidade é comum na cabeça dos homens, mas eles devem aprender a separá-las. Segundo ela, em geral eles costumam aceitar melhor os fatos depois de elaborar o “luto” pelo filho biológico. “Afinal, ele percebe que vai ser pai. A única diferença é que não será biológico”.

De acordo com a psicóloga Vera Iaconelli, coordenadora do Instituto Gerar de Psicologia Perinatal, em São Paulo, o que torna o homem pai é reconhecer o filho. “Quando os homens descobrem que não basta inseminar uma mulher, que o filho terá que ser reconhecido como tal acima de tudo, pode ficar mais fácil lidar com o ‘fantasma’ do sêmen de um desconhecido”, diz. O que faz a paternidade, afinal, não é o esperma.

A culpa é delas


Lidar com o problema da infertilidade não é mais fácil para as mulheres. Segundo a psicóloga Rafaela Schiavo, quando um casal tem dificuldades para engravidar, na maioria das vezes se presume que a culpa é da mulher. Para Vera Iaconelli, socialmente falando, é comum a mulher se sentir mais culpada sobre a infertilidade do que o homem. Mas hoje um procedimento como o da fertilização in vitro é mais reconhecido e, quanto mais aceito é, mais os pais podem se sentir preparados para enfrentá-lo. “Existe uma gama imensa de procedimentos, então o desafio é mais social mesmo”, diz Vera. Não é somente a gestação da criança ou como ela ocorre – natural, com óvulos doados ou barriga de aluguel – que faz de uma mulher uma mãe.

Leia também: quando você se sentiu mãe?

A saída para aliviar as pressões é o diálogo. A situação, de acordo com Meucci, pode mexer com questões emocionais muito profundas. Não reveladas, elas acabam gerando brigas e comportamentos fora do padrão. Se tanto o homem como a mulher perderem o constrangimento de falar sobre o que estão realmente sentindo, o casal fica fortalecido para enfrentar a situação, pois compartilharam as fragilidades.

Para evitar mais pressões sociais, a maioria dos casais prefere não compartilhar a notícia do tratamento e das técnicas às quais serão submetidos. Laís e Jorge só contaram para os pais dela. “Ninguém de fora precisa saber”, diz ela. Jorge decidiu não contar nem para as irmãs. “Já que quem vai criar somos eu e ela, não faz a menor diferença de onde virá o bebê”, conta. O medo de como os conhecidos podem tratar a criança mais tarde também contou pontos na decisão pelo silêncio. "Vai que eu falo para alguém que não gosta do ocorrido e tratam mal o meu filho? É desnecessário. O importante mesmo é saberem que nós somos os pais”.

Para a ginecologista e obstetra Paula Fettback, da Clínica Huntington de Reprodução Assistida, cada casal tem um tempo próprio de compreensão do processo pelo qual vai passar. Alguns se surpreendem e outros aceitam com mais facilidade as próprias limitações – neste segundo grupo se encaixam os casais com mais comprometimento e afinidade entre si. “O homem costuma passar por um período mais longo de aceitação e compreensão”, afirma.

Apesar das dificuldades emocionais, para o psicanalista Arthur Meucci, a maioria dos dilemas vividos pelo casal são desfeitos por completo depois do nascimento da criança. Os pais se abrem rapidamente para o novo elemento em suas vidas, adaptando-se à esperada realidade de ter um bebê. “As fantasias e inseguranças acabam sendo deixadas de lado e tudo começa a entrar nos eixos”, finaliza.

* Nomes fictícios a pedido dos entrevistados

Leia também
Guia do bebê: desafios e delícias de cada fase, dos zero aos 12 meses
Pintar o cabelo? Tomar café? Tudo que a grávida pode ou não fazer na gestação

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.