Se você é mamãe de primeira viagem, saiba como preparar o seu filhote para arrasar no verão

Com alguns cuidados básicos de alimentação e
proteção, é possível curtir o verão ao lado do
seu bebê
Getty Images
Com alguns cuidados básicos de alimentação e proteção, é possível curtir o verão ao lado do seu bebê
Já é hora de começar a pensar em curtir o verão, comprar biquínis novos, alugar casa na praia ou até mesmo renovar o exame médico do seu clube. E se você acha que, pelo fato de ter um bebê, suas férias foram esquecidas, pode comemorar. Saiba que, com alguns cuidados, dá para a família toda pegar um pouquinho de sol, banhos de mar e ter diversão garantida.

Como será a primeira vez que o seu filho e você curtem juntos essa época de sol e calor, é necessário ter bastante precaução com a pele dele e o tempo de exposição ao sol. “Recomenda-se que a criança faça uso de protetores e bloqueadores solares a partir dos seis meses de idade. O sol pela manhã cedo e no fim da tarde é muito importante, mas para a produção da vitamina D, apenas 10 minutos de sol já são suficientes”, explica Luciana Genesis, dermatologista da Clínica Genesis. Se ele ainda não tiver essa idade, nada de deixá-lo exposto ao calor (e sem roupa).

O protetor e a proteção ideal
Nada de melecar o seu filho com o mesmo protetor que você usa. Geralmente, as mulheres costumam usar protetores com FPS (Fator de Proteção Solar) entre 15 e 30, proteção muito baixa para um bebê. “É obrigatório utilizar acima de 40, dando preferência para o de 60. Mas deve-se prestar atenção se o protetor também protege contra os raios UVA, já que o FPS protege apenas contra os raios UVB”, alerta a especialista.

Quando começar o dia, já passe o protetor antes mesmo de qualquer contato com o sol. Afinal, mesmo que você não passe o dia todo em contato com os raios solares, o próprio calor é capaz de provocar danos na pele das crianças. “Os raios de sol estão presentes mesmo que o dia esteja aparentemente nublado. Por isso é importante manter o cuidado com a pele do bebê, mesmo que com muitas nuvens no céu. E procure usar sempre os produtos destinados às crianças”, explica a pediatra Miriam M. Souza.

Já no local de diversão, água e sol, prepare-se para repassar o protetor em intervalos de hora em hora ou sempre que os pequenos entrarem em contato com a água – isso vale tanto para o mar quanto para a piscina. “Embora muitos produtos sejam resistentes à água, a atividade do pequeno pode remover o protetor de algumas regiões da pele”, explica a dermatologista.

E se você é rata de praia e adora passar o dia inteiro tomando aquele bronzeado, é bom mudar o ritmo e se adequar aos melhores horários para o banho de sol – sua pele também agradecerá por isso. Fique atenta em deixar seu filho sob o sol antes das 10h da manhã ou só após as 16 horas. “Durante o dia, a criança não deverá ficar exposta por mais de 8 horas, mesmo com a aplicação do protetor”, explica Luciana. Encontre um local com sombra agradável e ventilação.

Hora do papá
Picolés, sucos, salgadinhos, milho, camarão, refrigerante. Clubes e praias estão recheados de guloseimas tentadoras, que são quase irresistíveis aos olhos e à sede. Mas na hora de alimentar o bebê é preciso fechar o cerco. “Nada de alimentos de barracas e vendedores ambulantes que passam o dia todo no sol. O ideal é evitar até mesmo os picolés”, explica a pediatra.

Como alguns sorvetes possuem também frutas cítricas, como laranja e limão, eles podem causar manchas e queimaduras na pele quando exposta ao sol. Por isso, muito cuidado na hora de manusear a sua própria comida, mesmo que a criança não esteja tão perto. Restos de limão no chão ou em cadeiras podem causar desastres. Até a água de coco, que parece ser inofensiva, merece atenção. “Observe as condições de higiene do local ao abrir a fruta.Mesmo assim, pode ser arriscado devido à chance de uma contaminação, através da faca que corta a fruta”, explica Eloisa Corrêa de Souza, pediatra do Hospital Universitário da USP.

Para que seu filho não passe o dia inteiro sem comer, faça uma ‘marmitinha’ esperta quando for à praia ou piscina. Assim você pode levar comidas feitas por você e bebidas caseiras, sem arriscar a saúde dele ou a diversão das suas férias. E não se esqueça de manter esses alimentos em uma bolsinha térmica, sempre com muito gelo. E se o seu filho ainda está no período de amamentação, continue dando o leite nos mesmos horários que ele está acostumado.

Com que roupa ele vai?
Nada de biquínis cheios de miçangas ou bermudas enormes que impeçam que ele se divirta sem se preocupar. Quando o assunto é água e mar, o ideal é ficar quase peladinho. Uma fralda descartável e uma simples camisetinha básica de algodão (se a pele do bebê for muito clara e sensível) já fazem o look do verão.

Caso o passeio não inclua água, opte pelas roupas leves e fáceis para brincar. E abuse e use de bonés e chapéus. Além de ficarem uma gracinha, os acessórios garantem uma proteção extra. Mas fique atenta nas abas: elas devem cobrir testa, bochechas e nariz.

Se você prefere que ele use um maiô infantil ou biquínis apropriados, coloque o modelito apenas quando a criança for entrar na água e volte para a fralda quando ela sair, caso ela ainda utilize fraldas. Melhor evitar surpresas chatas e assim deixar seu filho brincar sem encanação. Há no mercado fraldas especiais para o uso na água.

E nem pense em deixar o bebê completamente nu, principalmente se o destino for uma praia. Ele ainda é super pequeno e fica mais suscetível a micose e algumas infecções chatas, que podem ser contraídas em contato com a areia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.