Saiba quais são os principais cuidados na hora de escolher brinquedos para as crianças

Segurança dos brinquedos: indicação etária e
contato do fabricante são informações essenciais
Getty Images
Segurança dos brinquedos: indicação etária e contato do fabricante são informações essenciais
O fim do ano já chegou e com ele as compras de Natal. Neste momento, é preciso estar atenta à escolha dos brinquedos para as crianças, muitos deles oferecerem sérios riscos à saúde.

Segundo dados do Ministério da Saúde, só em 2007 foram registradas 700 mortes de crianças com até 14 anos vítimas de sufocação. A maioria delas causadas por brinquedos impróprios.

De acordo com Ana Beatriz Bontorim, Coordenadora de Projetos da ONG Criança Segura, “a embalagem do brinquedo deve conter um selo de certificação que garante a segurança e um número de SAC para que os pais possam entrar em contato com o fabricante em caso de consulta ou reclamação”. Também é preciso se ater à indicação da faixa etária, que deve estar à mostra. Comprar brinquedos impróprios para a idade da criança representa um risco, mesmo que ele atenda às outras especificações.

Foi por esta razão que Cuca Rivani, decoradora, passou por um desespero quando seu filho tinha 10 meses. Ele ganhou um carrinho e, uma hora depois, a criança jogou o brinquedo no chão e o retrovisor quebrou. “Nem percebi que havia quebrado, só o vi colocando a mão na boca e fazendo um cara de que estava difícil de engolir: aí corri para tirar o objeto da boca dele”, conta Cuca.

Depois, ao procurar a embalagem, Cuca viu o aviso de que o carrinho era indicado para crianças maiores de três anos. “As pessoas se esquecem de checar a indicação etária, o que é extremamente importante”, completa.

De um modo geral, sempre é preciso levar em consideração a qualidade do brinquedo. “Tente evitar comprar aqueles que não descrevem a origem do produto, sem rótulo e embalagens apropriadas”, diz o pediatra Gerson Matsas, do Hospital Samaritano de São Paulo. Brinquedos pontiagudos ou que contenham tintas tóxicas também não são indicados, pois podem ferir a criança ou causar engasgamento ou intoxicação.

Além disso, no caso da compra de bicicletas, skates ou patins, Gerson adverte que todos devem estar acompanhados de equipamentos de segurança. “Capacete, joelheira, cotoveleiras e luvas diminuem os riscos de sérios danos”, aconselha. Ana Beatriz assina embaixo e completa: “Nestes casos, o local da brincadeira também deve ser escolhido com cautela, é preciso manter a distância de carros, piscinas e escadas”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.