Especialistas ensinam como seu filho pode aprender a lidar melhor com a mesada, a poupança e os desejos de consumo

Para ensinar seu filho a fazer bom uso do dinheiro, você também deve saber poupar e fazer boas compras
Getty Images
Para ensinar seu filho a fazer bom uso do dinheiro, você também deve saber poupar e fazer boas compras
1. Para ensinar seu filho a administrar o dinheiro, primeiro você precisa saber lidar com ele
Você tem controle sobre suas contas? Sabe onde gasta seu salário? Tem uma poupança ou outro investimento? Educação financeira não está no currículo escolar. Portanto, assim como a educação de valores morais, ensinar a administrar o dinheiro é tarefa dos pais - que, para isso, devem saber como cuidar das suas próprias contas. Fazer planilhas de gastos mensais, não acumular dívidas e poupar dinheiro para situações de emergência são bons exemplos financeiros para você dar ao seu filho.

Leia também
Os limites da bronca: o que não fazer ao repreender as crianças

"Não dá para por as crianças nos trilhos se os pais nao conseguem cuidar das próprias finanças", alerta Reinaldo Domingos, educador financeiro, autor dos livros "O Menino do Dinheiro" e "Terapia Financeira" (Editora Gente) e pai de dois filhos adolescentes. Especialistas recomendam uma reunião mensal para se falar de dinheiro, colocando no papel quanto se ganha e quanto se gasta na casa.

2. Mais importante do que dar mesada é controlá-la com seu filho
Dar mesada ou semanada de qualquer valor sem controlar os gastos da criança é o mesmo que jogar dinheiro no lixo. "Mesada não é um dinheiro da criança. É um dinheiro da família, que ela ganha o direito de administrar", defende Gustavo Cerbasi, consultor financeiro e autor de vários livros, entre eles "Filhos Inteligentes Enriquecem Sozinhos" (Editora Gente).

Uma maneira prática de fazer o controle é dar à criança uma caderneta, onde ela deve anotar todos os gastos. Ao fim do mês ou da semana, vocês somam os valores e verificam para onde o dinhero está indo. Com os registros concretos, é a hora ideal para orientá-la sobre os gastos - especialmente se o dinheiro do mês ou da semana não deu. É preciso ser firme nos limites: se a criança gastou mais do que devia, vai ter de levar lanche de casa, esperar o mês seguinte para comprar a mochila nova que queria ou pagar a diferença nas próximas mesadas.

Leia também: Proteja seu filho do consumismo infantil

3. Antes de aprender a poupar, a criança aprende a consumir
Observe seus hábitos. Das últimas dez compras que fez, quantas eram realmente necessárias? Quantas foram caprichos? De quantas você se arrependeu? Com a cultura do consumismo a todo vapor na televisão, na internet e entre os colegas da escola, os pais precisam mais uma vez dar o exemplo.

"Adultos que compram de tudo são exemplos ruins para as crianças. Se a mãe ou o pai são descontrolados, esse é o modelo que a criança vai copiar", alerta João Batista Sundfeld, economista, professor, consultor e assessor financeiro. E não precisa atender a cada apelo da criança de imediato. "Tem que negociar. Se não é conveniente dar o que eles pedem, combine: 'no seu aniversário você ganha', 'você já tem esse'", ensina.

Leia também: Criança precisa aprender a não ser consumista

4. A criança pode - e deve - mexer com dinheiro antes mesmo de aprender a fazer contas
Ter uma poupança em nome do seu filho, destinada a um projeto importante do futuro dele - como uma faculdade ou uma viagem de estudos - é uma maneira de mostrar à criança que poupar tem uma recompensa. "Ela precisa entender que o dinheiro que vai sobrar é para realizar sonhos, e ele só vai sobrar se pouparmos", ensina Reinaldo.

Guardar moedas num cofrinho e manipular o dinheiro na hora de pagar a compra no mercado ou na padaria, sob supervisão dos pais, também são boas ideias. "O ideal é que a criança veja as finanças como algo natural. Jogos ou brincadeiras que lidam com dinheiro, por exemplo, também podem ajudar", diz Gustavo.

5. Educação financeira é um trabalho contínuo - e concreto
Não adianta chamar a atenção do seu filho depois que ele vem pedir dinheiro para o lanche porque gastou todo a mesada em um novo estojo incrível e absolutamente desnecessário. "Não pode falar de dinheiro como sermão. A educação financeira se faz no cotidiano, com conversas de dia a dia", recomenda Gustavo.

E é preciso tomar cuidado, porque é mais fácil desembolsar outros R$ 5 diante do pedido do que tomar a iniciativa de uma conversa mais séria. Mas o investimento na educação vale a pena. "Uma criança que aprende a mexer com dinheiro se torna um adulto mais responsável - e mais feliz", acredita João.

Leia ainda:
Qual a quantidade ideal de brinquedos para o meu filho?
Seis erros cometidos pelos pais na educação dos filhos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.