Organização é a palavra-chave para fazer uma voo com os pequenos sem estresse – para você, para a criança e para os outros passageiros

Antes mesmo das férias começarem, a primeira coisa a se fazer quando se vai viajar de avião com crianças, independentemente da idade, é certificar-se de que ela não esteja doente. Com a criança doente, tudo fica um pouco pior. “Se ela estiver resfriada, vai sentir mais dor no ouvido quando o avião pousa”, exemplifica o pediatra Antônio Carlos Aranha. Ele acrescenta que os pequenos tendem a chorar mais quando estão doentes, o que pode atrapalhar os outros passageiros.

Atividades e lanches: planejamento torna as viagens menos estressantes para crianças e pais
Getty Images
Atividades e lanches: planejamento torna as viagens menos estressantes para crianças e pais
Para evitar problemas com outros passageiros, procure dar preferência aos horários em que seu filho durma mais. Ana Amaral, que de tanto viajar com seu filho criou o blog Mãe Mochileira , indica que os pais devem respeitar o ritmo da criança. “Os voos noturnos são ideais”, concorda Lígia Marques, consultora em etiqueta e autora do livro “Os Sem Noção” (Editora Matrix).

Veja 9 dicas para viajar de avião com as crianças

Bebês e crianças menores

A geóloga Luciana Azevedo, autora do blog Nicolando por aí , mora na Austrália e vem ao Brasil com seu filho pelo menos uma vez por ano. Por experiência, ela explica que a organização é a chave de uma boa viagem com crianças pequenas. “É bom deixar tudo separado em pacotinhos plásticos: um kit com 2 fraldas, lenços umedecidos, pomada e protetor acolchoado; outro com uma muda de roupas quentes, outra de roupas leves. Assim, quando você tiver que ir ao banheiro com ele, não tem que levar tudo, só os kits de que você precisa”, diz.

Além disso, na hora de preparar a bagagem de mão, Luciana recomenda o uso das mochilas em vez de bolsas. “Elas garantem as mãos livres e ajudam para que nada fique despencando no ombro”, fala. Algumas companhias de voo permitem que os pais levem o carrinho de bebê até a porta do avião, e depois o devolvem para os pais depois da aterrissagem.

“O mais importante é perguntar tudo, perguntar muito”, diz Ana. Isso porque muitas companhias oferecem facilidades para quem viaja com crianças, como por exemplo a comida especial ou o berço desmontável, mas nem sempre estas informações são amplamente divulgadas e é preciso solicitá-las com alguma antecedência. Na TAM, por exemplo, os pais devem solicitar as facilidades dois dias antes da viagem.

Mesmo contando com a comida especial, Luciana e Ana ressaltam que é melhor que os pais levem algum tipo de comida na mochila: bolachinhas, chás e água são sempre uma boa pedida. Além disso, é bom que os pais levem duas mudas de roupas e um casaco, afinal nem sempre o cobertor oferecido no avião dá conta da temperatura.

Se tudo deu certo e seu filho se comportou como um anjinho, a prova de fogo chega ao final do voo. Na aterrissagem, é comum que a alteração de pressão tampe e incomode os ouvidos dos próprios adultos – imagine o das crianças. Para aliviar o problema, o pediatra e as mães indicam que a criança mastigue ou chupe algo na hora do pouso. “Quando uma criança chupa uma chupeta ou uma bala, isso vai areando o ouvido e evita a dor”, diz Antônio Carlos. “Se nada disso adiantar, deixar chorar pode ser a melhor solução: o movimento de abrir o maxilar ajuda a diminuir a dor”, completa Luciana.

Para as mais crescidinhas

Quando as crianças são um pouco maiores, a bagagem de mão ainda não diminui. Além de alguma muda de roupa, os pais devem garantir que seus filhos não fiquem entediados na viagem. Por isso, entram na maleta brinquedos, livros de ilustrações e DVDs portáteis.

Em voos de longa duração, é comum que as crianças fiquem irrequietas, diz o pediatra Antônio Carlos Aranha. Para resolver a inquietação, garantindo a paz para você (e para os outros passageiros), Luciana Azevedo diz que costuma levar “presentinhos inéditos”, ou seja, brinquedos pequenos que a criança não conhece. “Eu também costumo incluir uma calculadora bem baratinha que, por causa dos botões, consegue mantê-lo distraído por muito tempo”, diz.

O ideal é apostar em divertimentos portáteis, sem som. Se o barulho faz parte do pacote, como no caso de um minigame ou um DVD portátil, não se esqueça de levar fones de ouvido com entrada adequada. “Como o espaço é pequeno, o contato com os outros passageiros é enorme”, lembra o pediatra. Por isso, Lígia Marques explica que os pais devem ficar atentos se seus filhos incomodam algum outro passageiro – e lembra que o passageiro incomodado pode, sim, chamar atenção da criança. “Muitos pais não gostam, mas eles precisam entender que as pessoas estão tentando educá-los e não fazem isso com intenção de prejudicá-los”, completa.

9 dicas para viajar de avião com seus filhos sem estresse

1. Em voos de duração mais longa, prefira os horários noturnos .

2. Certifique-se de levar RG, certidão de nascimento e passaporte das crianças.

3. Verifique se a companhia aérea oferece comida especial e um berço desmontável . Se sim, peça com alguns dias de antecedência.

4. Use uma mochila com os apetrechos da criança (mamadeira, fralda, mudas de roupa): além de deixar as mãos livres, a mochila pode ser colocada no colo, e evita que você tenha que se levantar para pegá-la no bagageiro

5. Leve a criança no pediatra um pouco antes da viagem. Se ela estiver com algum tipo de doença que deixa o nariz constipado, evite levá-la no avião. Essa condição pode aumentar a dor no ouvido durante a aterrissagem.

6. Se a criança é de colo, procure ficar no primeiro assento , pois tem mais espaço para os pés. Se ela for maior, prefira os assentos em que o apoio de braço levanta, assim a criança poderá deitar no seu colo.

7. Evite dar cafeína ou chocolate para as crianças antes do vôo. São substâncias que deixam as crianças mais agitadas.

8. Para o entretenimento, leve brinquedos pequenos e que não façam barulho . Livros ilustrados, aparelho de DVD portátil ou MP3 player são boas pedidas para divertir as crianças mais velhas – sempre com fone de ouvido, nos dois últimos casos.

9. Na hora da aterrissagem, dê a criança algo de mastigar. Se ela for de colo, dê algo para ela sugar. Ambas ações diminuem a dor de ouvido.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.