Sentimentos e opiniões dos filhos devem ser respeitados desde o nascimento

Os pais devem ajudar os filhos no processo de autoconhecimento, respeitando suas particularidades
Thinkstock Photos
Os pais devem ajudar os filhos no processo de autoconhecimento, respeitando suas particularidades













Ao nascer, a criança já expressa seus sentimentos e vontades. É comum, principalmente quando os filhos ainda não sabem falar, que os pais decidam por eles o que vestir, comer e fazer. Mas assim que vão crescendo e aprendem a expor seus sentimentos, os pequenos já querem decidir por si só. E não há nada de errado nisso.

Nessa hora nem sempre é fácil encontrar um equilíbrio entre o que é ou não permitido à criança. “Um filho, desde seu nascimento, é um ser humano com desejos, sentimentos, sensações e experiências diferentes dos pais”, explica a psicóloga Cristiane Alves Lorga. O casal precisa estabelecer uma forma para respeitar a individualidade da criança e, ao mesmo tempo, impor limites para evitar um comportamento indesejado.

Leia também:
Filhos únicos por opção
É hora de estimular a independência e a socialização das crianças

Normalmente a hora da refeição é quando a criança esboça suas vontades com mais veemência. Caretas, choro e reclamações são reações comuns quando a comida não agrada. É nesse momento que os pais devem ter habilidade para convencer o filho de que alguns alimentos são fundamentais para o seu desenvolvimento e por isso devem ser inseridos na rotina alimentar.

Isso não significa que, vez ou outra, você abra exceções. Uma boa dica é reservar um dia da semana para que seu filho escolha o que quiser de lanche, por exemplo. Mas nunca permita este comportamento todos os dias. A educação alimentar é fundamental.

Outro ponto importante no desenvolvimento da individualidade da criança é mostrar que a opinião dela é considerada dentro do ambiente familiar. Para Maria Aparecida das Neves, psicóloga-clínica, as crianças estão cada vez mais seguras de si, mas os pais precisam estimular os filhos a descobrirem sua personalidade. “É preciso incentivar que eles se expressem. Os pais podem, por exemplo, pedir a opinião do filho para decidir assuntos básicos da casa, desde que os temas sejam adequados para a sua idade”, comenta.

Um canto para chamar de seu

Uma forma positiva de mostrar o respeito à individualidade dos filhos é criar um espaço só dele. O quarto, por exemplo, é um ambiente onde a privacidade da criança merece ser respeitada. Para que o local fique ainda mais pessoal, a psicóloga Maria Aparecida recomenda que a criança participe das decisões da decoração, por exemplo.

Além disso, um canto na casa representará à criança um espaço privativo para descansar, brincar, guardar coisas importantes e até chorar.

Entretanto, atividades da casa devem ser respeitadas – como a hora de dormir. É fundamental que a criança, ao desenvolver sua personalidade, aprenda a respeitar regras que a família impõe.

O importante é que os pais ajudem os filhos a descobrirem suas singularidades e durante esse processo, ajudem a desenvolver comportamentos positivos. Assim, além de se sentir aceita, a criança se tornará um adulto melhor.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.