Segundo pesquisa recente, ansiedade e depressão infantil aumentam as chances de enxaquecas e outros problemas no futuro

Depressão na infância: fator aumenta chance do aparecimento de dores crônicas mais tarde
Getty Images
Depressão na infância: fator aumenta chance do aparecimento de dores crônicas mais tarde
Crianças que passaram por experiências de abuso ou outras adversidades e desenvolveram algum tipo de distúrbio de ordem mental têm maior risco de apresentar problemas de dores crônicas quando adultos, de acordo com um novo estudo da Universidade de Otago, na Nova Zelândia.

Leia também
Ajude seu filho a superar a ansiedade
Depressão infantil pode aparecer a partir dos 4 anos

Pesquisadores examinaram dados de dez países incluídos no Inquérito Mundial de Saúde Mental, da Organização Mundial da Saúde. Os estudiosos observaram os distúrbios de ansiedade e depressão em crianças e as seguintes adversidades na infância: abuso, negligência, perda dos pais, divórcio, vícios químicos dos pais, comportamento criminal dos pais e violência familiar.

Tanto ansiedade quanto depressão na infância foram associadas a três dores crônicas na idade adulta: osteoartrite, dor crônica na coluna espinhal (pescoço ou costas) e severas ou frequentes enxaquecas. Já o abuso físico na infância, segundo os pesquisadores, está ligado a outras doenças crônicas, além das dores já citadas, na idade adulta: doenças do coração, diabetes e asma.

De acordo com a pesquisa, quanto mais adversidades na infância, maior o risco de se ter doenças crônicas na idade adulta. “Esses resultados são consistentes com a hipótese de que as adversidades na infância e os transtornos mentais de início precoce têm efeitos amplos e independentes, que aumentam o risco de vários tipos de dores crônicas na vida madura”, concluiu uma das autoras da pesquisa, Kate M. Scott, da Universidade de Otago, em Dunedin, Nova Zelândia.

O estudo foi publicado na edição de agosto do periódico “Archives of General Psychiatry”.

Leia mais: 5 respostas sobre estresse infantil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.