Habilidade cognitiva na infância tende a impactar as licenças profissionais por motivos de saúde na vida adulta

selo

Habilidade cognitiva na infância pode interferir na vida profissional do adulto
Getty Images
Habilidade cognitiva na infância pode interferir na vida profissional do adulto
O estudo britânico divulgado neste mês na publicação BMJ Open, feito por profissionais do King's College London, analisou as habilidades cognitivas - capacidade de percepção, raciocínio e memória, por exemplo - de 23 mil pessoas, em amostras de 1946, 1958 e 1970.

O estudo foi feito com base em levantamentos de órgãos estatais britânicos com crianças dessas gerações anteriores, que foram novamente entrevistadas mais recentemente na vida adulta, durante sua idade produtiva.

No grupo de 1946, por exemplo, 47% dos britânicos pesquisados que tiraram licenças médicas de longo prazo (mais de 6 meses) tinham apresentado desempenho cognitivo inferior quando crianças. Em contrapartida, esse número caía para 13% entre o grupo com histórico de melhores habilidades cognitivas.

Leia também:
10 dicas para melhorar o desempenho escolar do seu filho
Não deixe a lição de casa virar um problema

Essa associação entre baixa cognição infantil e problemas ocupacionais na vida adulta parece ocorrer, segundo os pesquisadores, "simplesmente porque esses indivíduos estão mais propensos a ficarem doentes". Em contrapartida, as pessoas com mais habilidades cognitivas tendem a ser mais flexíveis na busca e manutenção de empregos.

Além disso, dizem os autores, "é importante reconhecer que licenças médicas de longo prazo são resultado de um processo, e não de um evento singular".

Empregos inseguros
Nos três grupos, diz a pesquisa, "a baixa habilidade cognitiva estava mais fortemente associada com licenças médicas de longo prazo. (...) O baixo desempenho educacional pode levar (o indivíduo a buscar) empregos mais inseguros ou manuais, que podem ser mais difíceis de serem mantidos no caso de uma incapacidade".

Mas a própria pesquisa ressalta que "o desempenho educacional não explica totalmente essa associação". E adverte que o resultado do estudo pode ser afetado pelas diferentes formas como a habilidade cognitiva infantil pode ter sido medida à época dos levantamentos originais.

Ao mesmo tempo, o estudo parte do princípio de que os fatores de riscos individuais - e não apenas ocupacionais - são pouco estudados quando se trata de licenças médicas tiradas pelos profissionais. E aponta que essas licenças, além de terem um elevado custo econômico para a sociedade, colocam indivíduos em posição de "pobreza e desvantagem social".

Sendo assim, os pesquisadores sugerem políticas que não foquem apenas em saúde ocupacional dos profissionais, mas também em treinamentos.

"Para as futuras gerações, equipar as crianças com as habilidades exigidas pelo mercado de trabalho mais flexível pode preveni-las contra o risco de licenças médicas longas."

Veja ainda:
A mãe francesa educa melhor seus filhos?
O que estraga nossas crianças?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.