Confira os prós e os contras de deixar seu filho em uma creche ou escolinha e saiba que pontos considerar na hora da escolha

Pré-escola: flexibilidade de horários e convívio com outras crianças são as vantagens
Getty Images
Pré-escola: flexibilidade de horários e convívio com outras crianças são as vantagens
Vantagens

Têm preço variável e que atendem a diversos perfis financeiros. A maioria sai mais em conta que contratar uma babá por período integral. Outras custam mais caro até que uma mensalidade de universidade.

Têm flexibilidade de horário. É comum escolinhas e berçários que oferecem horários diversos, por módulos. Nessas escolas, a mãe pode escolher um período (de manhã, de manhã e à tarde ou de manhã até o fim da tarde) de acordo com o tempo que fica fora de casa.

Segurança. Diversas pessoas vigiam as crianças e o ambiente é adaptado para elas, diminuindo o risco de acidentes e maus tratos. A relações públicas Maíla Mortoni, 34, mãe de Giovanna, de 2 anos, optou por botar a filha na escolinha quando ela tinha dez meses. Maíla acredita que a segurança é a principal vantagem, mas defende que a confiança na instituição é fundamental. “Confio muito nas ‘tias’ e sei que posso ligar a qualquer hora para pedir notícias dela que vou ficar sabendo de tudo o que aconteceu”, conta.

Estabilidade. Como a escolinha ou creche é uma instituição que atende a várias crianças, se uma “tia” ficar doente ou faltar por problemas pessoais, alguém vai substituí-la e a mãe não vai ficar desamparada.

Convívio. Crianças se divertem quando estão juntas e também se desenvolvem mais quando observam os amiguinhos. “É impressionante como ela passou a ter um repertório próprio de brincadeiras e de musiquinhas. Vejo que ela começa a formar sua própria vidinha”, diz Maíla, que também observou que a filha come melhor nos dias em que vai à escola. “Ela vê as outras crianças comendo frutas e come também. Em casa, é um drama!”, relata.

Desvantagens

Leva e traz. Em tempos de congestionamentos garrafais, levar e buscar as crianças na escola pode ser um martírio – ainda mais na hora do rush. Para evitar atrasos e perda de tempo no trânsito, é indispensável escolher uma escola perto de casa, pelo menos até a criança ter idade para andar no transporte escolar – o que algumas vezes implica em não matricular na escola que seria a primeira opção dos pais.

Contágio de doença é a maior reclamação dos pais de crianças em escolinhas, principalmente das que ainda não completaram um ano de vida. O médico pediatra homeopata José Armando Macedo, membro do Espaço Potencial, grupo de estudos ligado ao Departamento de Psicanálise da Criança do Instituto Sedes Sapientiae, diz que o sistema imunológico infantil está em formação até os três anos de idade e que frequentar a escolinha ou a creche antes disso vai acarretar em alguns períodos de doença. Ele alerta que esse quadro pode ser mais intenso com os bebês por uma questão emocional. “Como bebês precisam de muita atenção e na escolinha precisam disputá-la com outras crianças, isso resulta em um estresse que diminui a imunidade, tornando-os mais suscetíveis a doenças”, explica.

Para Maíla não é diferente: “todo inverno eu sofro. Quando o tempo fica frio e seco ela fica com febre quase toda semana e, no ano passado, até gripe suína ela pegou”, lamenta. Além da preocupação com a saúde da criança, quando a escola é o único recurso para deixar os filhos, em caso de doença a mãe precisa faltar no trabalho ou ter um plano B até a criança se recuperar.

Adaptação. A adaptação na escolinha depende de como é feita a transição do convívio com a mãe para a escola e também do perfil da criança. Maíla ficou “grudada” com a filha até os dez meses, mas a bebê se adaptou rapidamente à nova rotina. “Ela nem chorava. Eu, em compensação, chorei durante um mês”, conta ela. Já a primeira filha do fotógrafo Charles Naseh, hoje com 11 anos, foi à escolinha com um ano e meio e não se adaptou. “Ela era muito grudada à mãe, que tinha ficado exclusivamente com ela até então, e colocamos na escola de repente. Não deu certo e passei a deixá-la com minha mãe”, lembra. O impacto foi tão grande para os pais e para a menina que ela só voltou à escola com cinco anos.

Adela Stoppel de Gueller, professora do curso de formação em psicanálise da criança do Instituto Sedes Sapientiae e do curso de especialização de Teoria Psicanalítica da PUC-SP diz que, não só na escola, mas em qualquer caso, a transição gradual é melhor. “É bom que a mãe fale bastante com o bebê lhe contando que em breve vai sair para trabalhar e que vai deixá-la com tal pessoa, mas vai voltar e ficar junto novamente. Também é interessante que ela saia algumas vezes por períodos mais curtos, deixando o bebê com o encarregado, para ver como o bebê vai reagindo”, explica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.